quarta-feira, 26 de junho de 2013

Câmara aprova redução a zero do PIS e da Cofins do transporte coletivo

Créditos: Guto de Castro/Ônibus Brasil

O Plenário aprovou nesta quarta-feira (26) proposta que reduz a zero as alíquotas das contribuições sociais para o PIS/Pasep e a Cofins incidentes sobre os serviços de transporte público coletivo municipal rodoviário, metroviário, ferroviário e aquaviário de passageiros. O texto aprovado é uma emenda de Plenário apresentada em substituição ao Projeto de Lei 2729/11, do deputado Mendonça Filho (DEM-PE).

Pelo texto, que segue agora para o Senado, o benefício fiscal alcança também os serviços públicos prestados em regiões metropolitanas regularmente constituídas.

A redução a zero das referidas alíquotas para os serviços de transporte coletivo já está em vigor por conta da edição da Medida Provisória 617/13. No entanto, a comissão mista do Congresso que deverá analisar a MP ainda não foi instalada. A principal inovação da proposta aprovada hoje refere-se à redução a zero das alíquotas de PIS/Pasep e da Cofins também do transporte aquaviário.

Agência Câmara/NE 10

Jaboatão terá faixas de BRS

Créditos: Urbana-PE/Acervo

Jaboatão dos Guararapes deverá ganhar dez faixas para ônibus até o fim do ano. Serão 26,9 km de vias preferenciais nos bairros do Jordão, Piedade, Muribeca, Prazeres, Barra de Jangada e Candeias, nos moldes do Bus Rapid Service (BRS, sigla em inglês para sistema rápido de ônibus). O plano para melhorar a mobilidade no município, que será implantado com recursos da prefeitura e do governo do estado, foi apresentado ontem pelo prefeito Elias Gomes (PSDB). Ele também anunciou oficialmente a redução da tarifa de ônibus do sistema municipal de R$ 2 para R$ 1,90, que já está em vigor há dois dias. Cem mil pessoas usam o sistema.

Uma das faixas para ônibus vai operar na Avenida Ayrton Senna, Piedade. Os coletivos que estiverem na Avenida Bernardo Vieira de Melo não precisarão mais dobrar à direita e entrar na Avenida Boa Viagem. Agora, poderão entrar à esquerda, ingressar na Visconde de Jequitinhonha (no contrafluxo) e seguir pela Domingos Ferreira. A meta é aliviar o trânsito no início da Avenida Boa Viagem. Sistema semelhante será implantado na PE-27, com a criação de mais uma faixa reservada aos coletivos. Hoje, a rodovia conta com duas pistas em sentidos opostos. O alargamento facilitará o deslocamenna BR-101.

Os outros corredores serão instalados na Estrada da Batalha, na Rua Arão Lins e na Avenida Barreto de Menezes, em Prazeres; na Avenida Presidente Kennedy, em Candeias; e nas avenidas Ayrton Senna e Visconde de Jequitinhonha, em Piedade.

“Não se trata de concorrência entre carros e ônibus, mas de transferência de oportunidades”, afirmou o prefeito Elias Gomes. Dependendo da complexidade, os corredores poderão levar de 30 a 180 dias para ficar prontos. A instalação da sinalização representará 60% das obras. As desapropriações e a construção de ruas somarão os outros 40%. “Só o aumento do número de vias não é suficiente para resolver o problema do trânsito. É preciso valorizar o transporte coletivo”, comentou o secretário de Mobilidade, Evandro Avelar.
Passagens
A prefeitura zerou o ISS e a Remuneração do Serviço de Transporte (RSP), diminuindo o preço dos bilhetes em R$ 0,10. Em contrapartida, 200 ônibus serão trocados pelas empresas, com o apoio do Banco do Nordeste, em um ano. Noventa coletivos serão substituídos até dezembro. Além disso, dois mil motoristas e cobradores serão capacitados em direção defensiva e atendimento.
Blog Mobilidade Urbana e Urbana-PE

Prazo de validade da carteira de estudante versão 2012 se encerra neste domingo (30)

Créditos: Guto de Castro/Ônibus Brasil

Os estudantes do Recife e Região Metropolitana devem ficar atentos. É que a carteira de estudante versão 2012 tem sua validade encerrada nesse domingo (30) e esse prazo não será prorrogado. Para que os estudantes não fiquem sem o benefício desse documento, é necessário que a versão 2013 seja solicitada. Para isso, basta entrar no site do Grande Recife (www.granderecife.pe.gov.br) e fazer a inscrição. 

Dos 645 mil estudantes aptos a retirarem o documento, apenas 242 mil fizeram a solicitação. A carteira garante ao aluno o direito de utilizar a meia passagem, através da aquisição de créditos para o Vale Eletrônico Metropolitano Estudantil (VEM). 

A novidade desse ano é que no momento da emissão do boleto o aluno poderá optar por mais de um banco. O pagamento do boleto poderá ser realizado no Banco do Brasil (nas seguintes redes de atendimento: agências bancárias, Internet, Autoatendimento, Correspondente MaisBB, Banco Postal nas agências dos Correios) ou Caixa Econômica Federal (nas redes de atendimento: Agências lotéricas, Internet, Autoatendimento, Correspondente Caixa Aqui). O documento é confeccionado em até 30 dias corridos, após o pagamento. A taxa para aquisição da carteira é de R$ 9,00. 

Para solicitar o documento, é necessário acessar o link Carteira Fácil e fazer o preenchimento correto com os dados do estudante sem abreviações e de acordo com a certidão de nascimento ou carteira de identidade. Também deve ser anexada uma foto 3x4, igual a utilizada para emissão de RG, Carteira de Trabalho ou Passaporte. 

As solicitações poderão ser efetuadas até o dia 30 de setembro desse ano, portanto todos os boletos deverão ser pagos, impreterivelmente, até esta data. A CIE 2013 tem validade até o dia 30 de abril de 2014. 

Dos 242 mil boletos pagos, 179 mil já foram confeccionadas e 144 mil foram entregues. As 34 mil restantes, já estão prontas aguardando o resgate por parte das escolas. Dessa forma, o Consórcio reforça aos alunos e responsáveis que fiquem atentos com os prazos e cobrem das escolas o resgate dos documentos


GRCT

Novo Sistema de Monitoramento contará com computador de bordo em todos os veículos

Créditos: Guto de Castro/Acervo

O edital de licitação do Sistema Inteligente de Monitoramento da Operação (Simop) foi publicado no Diário Oficial do Estado do último dia 14. O processo licitatório é uma concorrência internacional, com valor estimado de R$ 53,7 milhões, a ser investido em cinco anos. A meta é finalizar a licitação em 90 dias. 

Essa ferramenta, diferente da lançada no passado e que foi suspensa devido ao descumprimento do prazo por parte da empresa vencedora da licitação, é mais moderna e deixa de ser um sistema de gestão de frota para ser um sistema de gestão de operação de transporte. 

Essa é a primeira licitação pública realizada com esta abrangência no Brasil. Com a nova ferramenta, as 26 mil viagens diárias realizadas na Região Metropolitana do Recife terão melhoras na eficiência da programação horária, na saída e no retorno aos terminais, além da efetiva regulação ao longo da viagem. Tudo será realizado em sintonia entre o motorista, o Centro de Controle na garagem das operadoras e o Centro de Monitoramento, localizado no Grande Recife Consórcio de Transporte. 

Um importante diferencial da proposta de licitação atual é a implantação de computadores de bordo em toda a frota do Sistema. O equipamento permitirá que o motorista se cadastre dentro da garagem de sua empresa com informações como o número de ordem do ônibus, o número da linha, a matrícula do operador e o início da viagem. Essas informações serão repassadas para o Centro de Monitoramento da Operação, permitindo que os fiscais possam saber se o coletivo está parado no trânsito ou se a linha está operando dentro do programado. O não cumprimento da viagem vai recair, diretamente, na remuneração do operador. 

Segundo o presidente do Grande Recife, Nelson Menezes, o Centro de Monitoramento vai aperfeiçoar a gestão do sistema, facilitando o planejamento, o controle e a fiscalização dos ônibus. “A partir do momento em que as informações chegam de forma mais rápida aos técnicos do Grande Recife, é possível que a correção dos problemas seja feita com mais agilidade, fazendo com que o usuário possa ter mais confiabilidade no sistema de transporte coletivo”. 

Benefícios aos usuários - Com o novo sistema, os usuários que estiverem nas plataformas de embarque dos Terminais, receberão informações dos horários de partida dos coletivos por meio de painéis de LCD, já instalados nos TIs Tancredo Neves, Igarassu, Recife, Cajueiro Seco, Caxangá, Aeroporto, Pelópidas Silveira, Cabo de Santo Agostinho, Macaxeira, Cais de Santa Rita, Camaragibe e PE-15. 

O usuário também poderá acessar um portal para consultar o serviço de itinerários das linhas. Para isso, bastará informar onde o passageiro está que o sistema informará a que distância o coletivo está dele. O usuário poderá obter as mesmas informações por meio de um aplicativo para smartphones, que será disponibilizado tanto no sistema IOS como no sistema Android. 

Segundo o Diretor de Tecnologia da Informação, Germano Guimarães, depois de conhecido o ganhador da licitação e realizada a assinatura do contrato, este terá um prazo máximo de cinco meses para instalar o sistema em 5% da frota. Após testado o sistema nessa primeira fase, será iniciado o processo de implantação de 7% do sistema da frota por mês até atingir os 100%. Tudo isso em um prazo de um ano e meio. 

Segundo Germano, o edital exige que as empresas ganhadoras equipem o sistema com equipamentos como computadores de bordo e display para comunicação com os motoristas. Além disso, será instalado um software de planejamento e programação da operação no centro de Monitoramento da Operação, instalado na sede do Consórcio Grande Recife, que permitirá o monitoramento de toda a frota. O sistema adotado será o mesmo de grandes centros urbanos como Londres, Johanesburgo, Nova Iorque, Chicago, Montreal e Paris. 


GRCT

Conheça a nova licitação do Sistema de Transporte Público da RMR

Créditos: Guto de Castro/Ônibus Brasil

Depois de uma primeira tentativa sem sucesso no início do ano, o governo do Estado está lançando, nesta quarta-feira (26), uma nova licitação do Sistema de Transporte Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife. Para conseguir atrair as empresas de ônibus que não apresentaram propostas da última vez, o governo deve trabalhar em duas frentes.

A mais importante delas, segundo o secretário das Cidades Danilo Cabral, é a que trata da implantação de ar-condicionado em todos os veículos que transitam na RMR. Por isso, a mudança será implantada aos poucos. "O Estado continua com a disposição de implantar em todo o sistema, nós apenas estamos fatiando para ter um cronograma", explicou.

O impasse em relação a implantação dos ar-condicionados se deveu a um desentendimento entre o governo e as empresas que operam o transporte quanto ao impacto que a medida teria no custo total do sistema. As empresas achavam que a implantação custaria três vezes mais do que a equipe do governo apontava.

"É difícil chegar a um entendimento", assumiu Danilo Cabral. Por isso, durante a implantação da primeira etapa, o conumo de diesel será monitorado pelo Consórcio Grande Recife, o que permitirá um diagnóstico preciso do impacto nos custos e permitirá a elaboração de um calendário de extensão para toda a frota.

Nesta primeira leva, serão beneficiados os Bus Rapid Transit (BRTs), que devem estar arcondicionados até junho de 2014, e os veículos articulados, cuja meta é receber os aparelhos até junho de 2015. No total, as duas categorias compreendem 672 veículos, de uma rede que tem mais de 3 mil em funcionamento.

O impacto dos ar-condicionados variam de uma linha para a outra, em função de características como a distância, o número de paradas e a fluidez do trânsito. À medida que os aparelhos forem implantados, o governo vai coletar os dados sobre os custos, ao longo do ano de 2014. No ano seguinte, será divulgado um cronograma de expansão para os demais ônibus da frota.

Competitividade

Segundo o secretário, o outro mecanismo que deve facilitar o sucesso da licitação é o fato de ela ser fatiada em duas etapas. Na primeira, estarão disponíveis para a competição os dois primeiros lotes, que correpondem os corredores Leste-Oeste e Norte-Sul, além das linhas de acesso a esse último e daquelas que circulam na cidade de Olinda. O objetivo é "ampliar a competitividade".

Conforme explicou o secretário, a segunda etapa da licitação, com as demais linhas, só estará aberta 30 dias depois que a primeira for encerrada. O objetivo é "quebrar um possível entendimento entre as empresas". Elas serão desincentivadas de combinar entre si uma divisão dos lotes, porque com a competição em separado, aquelas que abrirem mão de concorrer já na primeira etapa podem acabar não sendo contempladas na licitação.
Conluio
O secretário de Cidades, Danilo Cabral, não mediu as palavras ao explicar o desmembramento da licitação para a escolha de empresas para exploração das linhas de ônibus da RMR, nesta terça. Ele disse com todas as letras que o objetivo era evitar conluio entre as empresas. Na primeira licitação, não apareceu nenhuma empresa interessda. Nem local nem nacional.

Agora, o governo flexibilizou as exigências, como por exemplo a necessidade de ônibus com ar-condicionado, que consome mais diesel. Na primeira licitação, era cerca de 30%. Agora, será cerca de 12% logo nos primeiros anos.

O governo Eduardo Campos também decidiu aceitar uma renovação mais tardia da frota de BRTs, que seria feita inicialmente em cinco anos e agora será em oito anos.
Como na licitação anterior, a remuneração das empresas contratadas será vinculada à qualidade do serviço prestado, o que inclui o cumprimento de viagens, do intervalo entre os ônibus, o índice de quebra e a satisfação dos usuários. A idade média da frota deve variar de 3 anos e meio (para os ônibus convencionais) a 8 anos (para BRTs e veículos articulados).
A primeira etapa da licitação, que foi publicada nesta quarta-feira na Internet e logo em seguida publicada em jornais, abrirá para as propostas no próximo dia 30 de julho e os resultados devem ser homologados em 30 de setembro. O contrato deve ser assinado no dia 10 de outubro e as empresas contratadas começam a operar em 10 de janeiro de 2014.

Já o edital de licitação da segunda etapa vai ser publicado no dia 30 de agosto e o processo de recebimento das propostas tem início no dia 30 de setembro, após o resultado da primeira etapa ter sido homologado. A homologação desta segunda etapa só acontece no dia 29 de novembro. O contrato deve ser assinado em 10 de dezembro e os ônibus das novas empresas passam a circular no dia 10 de março de 2014.





Blog do Jamildo e NE 10

Audiência entre rodoviários e patronato é adiada e greve está descartada até o dia 1º

O encontro foi remarcado para a próxima quinta-feira (27), às 16h, na sede do MPT


Créditos: Helia Scheppa/JC Imagem

A audiência de concilicação marcada para a tarde desta terça-feira (25) no Ministério Público do Trabalho (MPT) entre o Sindicato dos Rodoviários e as empresas de ônibus foi adiada a pedido do patronato. O encontro foi remarcado para a próxima quinta-feira (27), às 16h, na sede do MPT. Segundo presidente da oposição rodoviária, Aldo Lima, qualquer tipo de paralisação está descartada até o dia 1º.

O pedido de adiamento foi feito por volta das 14h desta terça-feira (25) pelo advogado do Urbana, Antonio Neuenschwander, que requereu, por motivo de força maior, o adiamento. 

Na petição, ele informa que o representante legal do Sindicato, o presidente da entidade, que compõe a diretoria do órgão de representação nacional, foi convocado em caráter de emergência para discutir soluções do setor em âmbito nacional com o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

"Não pudemos fazer nada, pois o adiamento foi proposto pelo Ministério Público. Não ficamos satisfeitos, infelizmente vamos ter que protelar a reunião", disse Patrício Magalhães, presidente do Sindicato dos Rodoviários.

Já o representante da oposição rodoviária, Aldo Lima - entidade que promoveu as últimas paralisações no Recife - preferiu aguardar o posicionamento do sindicato. "Eu não tive acesso ainda (ao motivo do cancelamento), mas a oposição permanece aguardando alguma resposta da patronal", disse. "Qualquer tipo de greve e paralisação está descartada até o dia 1, que é o dia do dissídio da categoria. Continuaremos esperando uma posição dos patrões", garante.

Os rodoviários ameaçavam paralisar as atividades caso não chegassem em entendimento com os patrões na reunião desta terça.

JC Online

Estudantes fecham a Agamenon Magalhães em protesto

Estudantes realizam um protesto na Avenida Agamenon Magalhães, no Derby, região central do Recife, na manhã desta quarta-feira (26). O grupo se reuniu na Praça do Derby e fechou a via por volta das 10h, no sentido Olinda / Boa Viagem. Pouco antes do meio-dia, o sentido Boa Viagem / Olinda também foi interditado. O bloqueio é feito de forma pacífica, com os estudantes dando as mãos e caminhando na avenida. A interdição provoca um grande congestionamento na Agamenon e o protesto está sendo acompanhado por uma equipe da Polícia Militar.

Os jovens que participam do ato se conheceram durante as passeatas da semana passada e criaram o movimento Resistência Pernambucana. "Temos varias reivindicações, mas a principal delas, neste momento, é o passe livre para estudantes e desempregados", afirmou um dos integrantes. Eles prometem continuar na Agamenon até que o governador Eduardo Campos se manifeste sobre a qualidade do transporte público no Estado.

Outro protesto está marcado para a tarde desta quarta-feira. A concentração também será na Praça do Derby, às 14. Um dos coordenadores da Frente Pelo Transporte Público, Pedro Josephy, explicou que protestos desta manhã não têm ligação com eles. "Somente as manifestações da tarde, com concentração no Centro, tem nosso envolvimento" registrou.


JC Online

sábado, 22 de junho de 2013

TIP: passageiros enfrentam problemas para viajar para Caruaru e Garanhuns

Créditos: Guto de Castro/Acervo

Passageiros que compraram passagens antecipadamente à empresa Jotude para realizar viagens para os municípios de Caruaru e Garanhuns, dois dos principais destinos nas festas juninas em Pernambuco, estão enfrentando problemas na manhã deste sábado no Terminal Integrado de Passageiros (TIP), no Curado.

Uma notificação da Empresa Pernambucana de Transporte Intermunicipal (EPTI), ligada ao Departamento de Estradas e Rodagem (DER), estaria impossibilitando a circulação dos ônibus da empresa. De acordo com o advogado da Jotude, Eduardo de Souza Leão, a Jotude teria solucionado as irregularides apontadas que, entre outros problemas, estariam causando atrasos nas viagens. Ainda segundo o advogado, a empresa teria adquirido seis novos coletivos que teriam sido submetidos a vistorias junto ao órgão competente. No entanto, de acordo com Souza Leão, a EPTI não teria homologado os laudos e notificado as empresas Caruaruense e Progresso para compartilharem o percurso.

Com o aumento da demanda, as viagens ofertadas não estariam sendo suficientes, o que estaria geraldo tumulto no TIP. O advogado disse que , apesar do recesso na Justiça, está tentando reverter a situação junto ao plantão do Tribunal.

Diário de Pernambuco

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Copa das Confederações: Ida e volta sem muitos problemas no metrô

Créditos: Bobby Fabisak/JC Imagem

O resultado da enxurrada de críticas ao acesso para o primeiro jogo da Copa das Confederações na Arena Pernambuco, no último domingo, foi um metrô muito menos tumultuado, ônibus relativamente rápidos e maior organização na saída dos torcedores que assistiram ao duelo entre Itália e Japão, nesta quarta-feira. As pessoas que compareceram ao estádio também se sentiram mais seguras e bem informadas com o aumento do policiamento.
 
Os torcedores que pegaram o metrô viram trens mais rápidos, menos congestionados e com assentos vagos. Vale ressaltar que, na Estação Central, por exemplo, os torcedores recebiam as pulseiras de acesso sem que seus ingressos fossem conferidos.
 
Ao chegar na Cosme e Damião, nada de empurra-empurra. Ao contrário do que aconteceu no domingo, quando as pessoas tiveram que sair pelo apertado corredor do meio, os torcedores de Japão e Itália puderam sair por uma rampa espaçosa na lateral, perto de onde os ônibus os esperavam – também com cadeiras vagas.
 
A volta também foi aprovada pela maioria, que viu uma mobilidade mais organizada, ônibus demorando no máximo 30 minutos e um metrô relativamente tranquilo. Com mais policiamento e sem pessoas furando fila, os torcedores gastaram, em média, metade do tempo consumido no domingo para chegar em casa na quarta.

JC Online

quinta-feira, 20 de junho de 2013

A desunião do Sindicato dos Rodoviários


Recentemente, Recife tem vivido dias bastante agitados. As manifestações populares que vem ocorrendo nas grandes cidades brasileiras chegaram por aqui, lutando por um transporte de qualidade, melhorias na saúde e educação e o combate a corrupção.

Os profissionais do sistema de transporte urbano da cidade também tem lutado por melhorias. As paralisações que aconteceram na última sexta-feira e na tarde de hoje - esta última acabou sendo ofuscada pela manifestação dos estudantes - foram lideradas por um grupo intitulado "Oposição Rodoviária da Verdade".

Na verdade, trata-se de um grupo dentro do sindicato, que não concorda com o rumo que as negociações de reajuste salarial vem acontecendo. A Oposição Rodoviária alega que o sindicato já teria acertado com os   empresários um aumento de 7,5%. Contudo, o grupo pede 30% a mais nos salários para este ano de 2013.

A Oposição Rodoviária não é uma maioria, mas expõe a divisão do Sindicato dos Rodoviários. E isso é extremamente prejudicial, pois o sindicato é quem luta pelos direitos de uma classe de trabalhadores, e um sindicato fraco não conseguirá atender as demandas que os profissionais necessitam.

Espero que os rodoviários possam entrar em acordo em relação aos reajustes salariais e aos rumos do seu sindicato. A divisão não beneficia ninguém, além de ter prejudicado os passageiros que ficaram sem ônibus nos dias da paralisação.


Copa das Confederações: Linha alternativa de transporte deu certo

Créditos: Bruno Andrade/Lance Net

O novo meio de transporte alternativo apresentado pelo governo para o acesso aos jogos na Arena Pernambuco foi aprovado pelos torcedores que deixaram seus carros no estacionamento de cinco mil vagas do campus da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e partiram, no Expresso Arena, rumo ao duelo entre Japão e Itália.
 
Os torcedores, que pagaram R$ 10 pelas viajens de ida e volta, encaram um percurso tranquilo e bastante confortável. “Todo mundo sentado, veículo limpo e com ar condicionado. Não vi menos de 20 ônibus esperando pelas pessoas”, comentou o diagramador Kléber Rinaldo, que ainda ressaltou a organização e rapidez das filas, além da segurança do estacionamento da universidade.
 
Os ônibus, que demoravam cerca de 20 minutos para chegar ao destino, deixavam os torcedores a aproximadamente 300 metros da Arena, próximo ao viaduto. “Tudo muito tranquilo durante a caminhada. Os fiscais da UFPE nos orientaram muito bem”, continuou Kléber, que, ao todo, gastou 30 minutos para chegar ao estádio depois de embarcar nos ônibus.
 
A volta também foi aprovada. Com muita organização e sinalização do pessoal de apoio da UFPE, devidamente identificados, os veículos não demoravam cinco minutos para pegar os passageiros após o jogo. “Tudo muito tranquilo também. O retorno demorou um pouco mais por causa do trânsito”, finalizou Kléber, que chegou antes das 22 horas em casa.

JC Online

Em meio a protestos, Queiroz veta aumento da passagem de ônibus em Caruaru

Créditos: Guto de Castro/Acervo
O prefeito José Queiroz decidiu não aprovar o aumento da passagem de ônibus em Caruaru de R$ 1,80 para R$2,10, conforme definido pelo Comut (Conselho Municipal de Transporte),  na última reunião, dia 30 de maio.
Após conferir toda a documentação da reunião e considerar a desoneração do PIS e COFINS determinada pelo Governo Federal para as empresas de ônibus no dia 31 de maio, conforme publicação no Diário Oficial da União, o prefeito quer que a planilha de custos seja reformulada para apreciação do Comut em nova reunião.
Caberá à presidência do Comut determinar a nova reunião do órgão e providenciar os estudos técnicos para avaliação dos integrantes do Conselho, além de convocar todos os representantes para participar da decisão.
Jornal Extra

Mantega diz que não há recursos para novas desonerações do transporte público

Créditos: Agência Brasil/Acervo
O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse que não há mais espaço fiscal para novas reduções de tributos para o transporte público. Segundo ele, o Congresso Nacional terá de adaptar a proposta de desoneração total aos benefícios fiscais já concedidos pelo governo.
“Já fizemos reduções equivalentes às que estão propostas nesse projeto. De modo que nós não temos condições de fazer novas desonerações. Será preciso que o texto que implica reduções federais, estaduais e municipais seja readequado”, declarou o ministro. “Os parlamentares vão estudar a forma de adaptar o projeto. Não estão previstas novas desonerações, além das que fizemos”, reiterou o ministro mais tarde.
De acordo com Mantega, as desonerações postas em prática pelo governo federal desde meados do ano passado foram responsáveis pela redução de 10% nas tarifas de trens e metrô e de 7,5% nas passagens de ônibus.
Entre as medidas citadas pelo ministro estão a redução a zero da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre o diesel, a desoneração da folha de pagamento das empresas de transporte público, o barateamento da energia elétrica e a retirada do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre as passagens de transporte urbano.
Mantega mencionou ainda a isenção de IPI para ônibus e a redução do custo de financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a aquisição de ônibus, que têm taxas de juros entre 3% e 4% ao ano. Os empréstimos são concedidos pelo Programa de Sustentação do Investimento (PSI).
Segundo o ministro, o governo federal já fez sua parte e os estados e municípios devem analisar o impacto das medidas nas planilhas de custos para repassarem a desoneração para o preço final das passagens. “O governo federal fez as desonerações e cabe aos entes federados discutir a redução da planilha de custos. Não vou entrar na discussão de tarifas, porque essa é uma questão estadual e municipal.”
Depois de insistentes questionamentos, o ministro disse que o governo federal não estuda um eventual aumento de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre os veículos para compensar a redução das tarifas de ônibus, uma das reivindicações dos manifestantes. “Não estamos discutindo IPI neste momento”, limitou-se a dizer Mantega.
O ministro concedeu entrevista durante o primeiro tempo do jogo da seleção brasileira na Copa das Confederações. Marcada para as 15h30, a coletiva começou com 45 minutos de atraso.
Mais cedo, o ministro recebeu o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), presidente da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, e o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), relator na Câmara da proposta que amplia as desonerações para o transporte público. De acordo com os parlamentares, as novas reduções de tributos poderiam baixar de 10% a 15% o preço das passagens.
Pela proposta dos parlamentares, o PIS e a Cofins do diesel e de bens e equipamentos para o transporte público seria zerado. Além disso, a desoneração da folha de pagamentos para as empresas do setor seria ampliada. Em troca, os estados teriam de zerar o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre os mesmos bens e mercadorias, e as prefeituras precisaram eliminar o Imposto sobre Serviços (ISS) para aderir à desoneração total.
Agência Brasil/NE 10

quarta-feira, 19 de junho de 2013

Não precisamos de mais ônibus, precisamos de ônibus melhores


Desde a última semana temos visto uma grande mobilização da população do Brasil. Milhares de pessoas tem saído as ruas em protestos por todo o país. As causas são muitas: a corrupção, os gastos excessivos com a Copa das Confederações, a saúde, a educação, entre outros. Porém, o estopim da revolta, que começou em São Paulo, atende pelo nome de transporte público.

Não é difícil perceber que o transporte coletivo no nosso país é sofrível. Todos os dias vemos ônibus superlotados, principalmente nos horários de pico. Os usuários sofrem com o calor, a falta de conforto nos assentos e a má conservação dos carros de algumas empresas.

Trazendo o debate para o Recife, percebemos que aqui o serviço oferecido está muito aquém da tarifa cobrada, em geral no valor de R$ 2,15 (desde o reajuste de ontem). Apesar do Grande Recife Consórcio de Transporte ter divulgado recentemente que a região metropolitana tem 30% a mais de ônibus do que necessita - e acredito na veracidade desta informação - temos um transporte de péssima qualidade.

O que fazer então? Colocar mais ônibus? A resposta é não! Não precisamos de mais ônibus nas ruas, e sim, de ônibus melhores.

Precisamos de ônibus maiores, com 3 eixos, também conhecidos como trucados, que tem uma capacidade de passageiros bem maior. Hoje, no Recife, várias empresas ainda contam com ônibus curtos (aqueles com menos de 12 metros), que são verdadeiras latas de sardinha, fruto de investimentos equivocados feitos por pessoas com visão extremamente limitada há alguns anos.

Precisamos também de conforto para o motorista e o usuário: ônibus de motor traseiro são as melhores opções, pois tem um nível de ruído bem menor; além disso precisam estar equipados com assentos estofados, que permitem uma viagem melhor aos passageiros. Atualmente, mais de 90% da frota recifense é composta por coletivos de motor dianteiro, que fazem mais barulho a medida que vão ficando mais velhos. E, cerca de 80% dos ônibus têm bancada de fibra, extremamente desconfortável para o usuário.

Outra melhoria importante seria a instalação de ar-condicionado nos ônibus. Vivemos numa região onde a média de temperatura está na faixa dos 30°C ao longo de todo o ano. Menos de 10% da frota de coletivos do Recife possui ar-condicionado, e estão concentrados na zona sul da cidade.

Como visto, nosso sistema de transporte tem muito o que melhorar. Devemos aproveitar essa época de manifestações e de cobrança de responsabilidade dos políticos para endossar estes pedidos. Sonho com o dia em que teremos o transporte coletivo que merecemos, e espero que esse dia não esteja longe de chegar.

Guto de Castro

OBS: amanhã teremos uma edição especial da coluna "Opinião", onde irei comentar sobre a divisão dentro do Sindicato dos Rodoviários. Aguardem!!!

Engenheiro aponta falhas na estação de metrô da Arena Pernambuco

'[Estação] não foi feita pensando num evento desses', diz Fernando Jordão.
CBTU alega que terminal foi planejado para atender a 3 mil passageiros/dia.


A Estação Cosme e Damião do metrô do Recife, situada no bairro da Várzea, Zona Oeste da capital, usada pelos torcedores com destino à Arena Pernambuco, foi alvo de críticas do engenheiro e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Fernando Jordão. Convidado pelo G1, o especialista visitou o espaço, que já havia recebido reclamações por parte da torcida que passou pelo local para assistir ao primeiro jogo da Copa das Confederações no estádio, em São Lourenço da Mata, Grande Recife. "Eu não fui [à partida do último domingo] porque estava prevendo a confusão que seria", comentou o engenheiro. Jordão apontou falhas e disse que são necessários ajustes para a estação receber os passageiros com conforto.
Escada estreita para entrar e sair da plataforma do metrô - sendo a única opção de escoamento do fluxo de passageiros, e elevador pequeno foram os principais pontos criticados pelos torcedores, que se espremeram no local, principalmente na volta para casa após a partida entre Espanha e Uruguai. Para justificar a superlotação no espaço, o governo estadual disse que houve falta de sincronia entre as viagens de trens e dos ônibus circulares que faziam a ligação ao estádio.
Créditos: Lorena Aquino/G1
Durante a visita, o engenheiro ficou impressionado com a dimensão da Cosme e Damião, que segundo ele não condiz com o público esperado para as copas das Confederações e do Mundo, em 2014. "A estação com certeza não foi feita esperando um evento desse", afirmou Jordão. De acordo com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), a construção da estação foi planejada ainda antes de o Brasil ser confirmado como sede do Mundial, para atender a 3.000 passageiros ao dia, demanda estimada para dias normais.

A plataforma da estação tem 100 metros de comprimento por 3,5 de largura, tamanho padrão adotado em outras estações do Grande Recife. O problema, segundo o professor da UFPE, é que entrada e saída da plataforma tem uma única passagem, com cerca de 4 metros de largura, que fica ainda mais estreita por conta da escada, com cerca de 2,5 metros de largura. “Esse erro é gritante mesmo, não favorece o escoamento da quantidade de passageiros em dias de jogos, e acabou criando esse gargalo. A saída não está compatível com a dimensão da demanda, porque afunila mesmo", disse o especialista que integra o Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Pernambuco (Crea-PE).

Em cálculos rápidos, o engenheiro estimou que a capacidade de um trem é de 1.200 passageiros. Se o intervalo entre as viagens na estação é de seis minutos, são dez trens por hora, resultando em 12.000 pessoas. Para encher ou esvaziar o estádio no último domingo, onde havia quase 42 mil pessoas, seriam necessárias cerca de quatro horas, com intervalos de seis minutos entre os trens. No entanto, de acordo com o Metrô do Recife (Metrorec), o intervalo foi reduzido para três minutos ao final da partida. “É uma demanda alta e concentrada para qualquer metrô, até para aqueles com tecnologia mais moderna, como o de Londres ou de Tóquio", explicou o professor da UFPE.
Para melhorar a mobilidade na estação, Jordão disse que uma das opções seria construir uma rampa, em vez da escada estreita, além de aumentar a quantidade e tamanho dos elevadores – atualmente, só existe um, onde cabe apenas um cadeirante. Para ele, o espaço da estação poderia ser mais “generoso”, embora também seja preciso observar a frequência de saída dos ônibus que levam e trazem os torcedores da Arena, o que contribui para formar aglomerações.
Adequação
Procurada pela reportagem, a assessoria do Metrorec informou que o projeto da Cosme e Damião está em constante mudança para adaptar-se ao fato de ser a parada mais próxima da Arena Pernambuco. Desde o projeto inicial, foram incluídas a instalação de um elevador e a cobertura da estação.

A CBTU/Metrorec acrescentou ainda que a Cosme e Damião receberá, provisoriamente, uma rampa para facilitar a saída dos torcedores que irão acompanhar os últimos dois jogos da Copa das Confederações na Arena Pernambuco, nesta quarta (19) e no domingo (26).
Também devem ser colocadas duas escadas rolantes nos próximos meses de julho e setembro. Por lei, depois que uma empresa é contratada para começar um projeto, só é possível realizar mudanças que representem impacto de 25% no valor do contrato inicial da obra.
G1 PE

Protesto termina e Expresso Arena volta a sair da UFPE normalmente

Serviço de ônibus foi alvo de manifestação de universitários, nesta tarde. Eles se queixaram de cancelamento de aula para que transporte funcionasse.


Créditos: Luna Markman/G1

Voltou ao normal o serviço Expresso Arena, que está partindo do estacionamento da Universidade Federal de Pernambuco (
UFPE), no Recife, na tarde desta quarta-feira (19). Estudantes do campus fizeram um protesto, no começo da tarde, para reclamar do uso do estacionamento do campus como área para deixar os veículos do serviço, alegando que as aulas tiveram que ser suspensas para que o expresso pudesse funcionar.

Houve confronto entre torcedores que aguardavam a saída dos veículos do Expresso Arena - cujo destino é a Arena Pernambuco, onde Itália e Japão jogam hoje, pela Copa das Confederações - e os manifestantes. Alguns dos torcedores desceram dos ônibus para pressionar a passagem, fazendo um cordão de isolamento para os veículos, e chegaram a entrar em luta corporal com os universitários. Os policiais militares que estavam no local não interferiram.
"Estávamos aqui fazendo um movimento pacífico e os passageiros resolveram descer de forma agressiva e começou a confusão. O ônibus passou por cima da minha bicicleta", disse a estudante de engenharia da computação Olívia Tavares.
O que os manifestantes tinham combinado com os policiais era deixar passar um ônibus a cada dez minutos. Depois da confusão, o intervalo foi reduzido para cinco minutos. Nesse momento, o efetivo de policiais militares já tinha sido aumentado e eles estavam acompanhados de agentes do Batalhão de Trânsito, Radiopatrulha e Patrulha do Bairro. Por fim, com a passagem dos ônibus liberada, os manifestantes ficaram nas laterais do acesso à BR-101, perto do viaduto que passa na reitoria da UFPE.
Entenda o caso
O protesto foi realizado por um grupo de aproximadamente 40 estudantes. Segundo eles, as aulas tiveram que ser suspensas para que o Expresso Arena pudesse funcionar. “Os torcedores que se virem durante a Copa e arrumem outro jeito de ir para a Arena. Não privatizem o estacionamento da UFPE, impedindo a gente de ter aula”, afirmou Leo Leite, aluno do curso de Comunicação Social.
Os manifestantes estavam segurando cartazes e gritando palavras de ordem como “O povo não é jumento, universidade não é estacionamento” e “UFPE não é da Fifa”. Morgana Silva, aluna do curso de odontologia, foi uma das participantes. “Tive que liberar pacientes da clínica, porque não teve aula hoje e sem alunos não há atendimento”, explicou.
Alguns passageiros dos ônibus discordaram da manifestação. "Não concordo com o protesto porque cheguei cedo aqui, para tentar ver o jogo do Brasil na Arena e não vou chegar a tempo", disse Túlio Maior, auxiliar administrativo. "Paguei pelo jogo e quero ver tranquilo. Eles podem protestar sobre o que quiser, mas com responsabilidade", pontuou o economista Roberto Nascimento.
O Expresso Arena foi anunciado esta semana pela Secretaria Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa) para atender aos torcedores que vão assistir, na noite desta quarta-feira (19), o jogo entre Itália e Japão, na Arena Pernambuco, marcado para começar às 19h. A reitoria da UFPE já tinha anunciado, desde a sexta-feira da semana passada, que seria ponto facultativo nesta quarta.
G1 PE

Transporte gratuito é realidade em cidades brasileiras

Em Agudos, tarifa zero foi implantada no ano de 2003
Créditos: Blog Meu Transporte/Acervo
A tarifa zero para o transporte coletivo, uma das bandeiras levantadas pelos manifestantes que protestam contra o aumento da passagem em São Paulo, já é uma realidade em cidades do interior do Brasil. Os municípios de Porto Real, no Rio de Janeiro, Ivaiporã, no Paraná, e Agudos, em São Paulo, oferecem a gratuidade do transporte.

Somadas, as populações das três cidades não ultrapassam os 100 mil habitantes, enquanto a capital paulista possui mais de 11 milhões de moradores, de acordo com o último censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar da diferença de tamanho territorial e populacional, alguns especialistas nas áreas de Mobilidade Urbana e Administração Pública acreditam ser possível a aplicação da tarifa zero na capital.

"A tarifa zero independe do tamanho da cidade. Ela é possível, mas depende do planejamento financeiro de cada município. Numa cidade do tamanho de São Paulo, o planejamento técnico precisa ser muito maior, além de envolver também os governos estadual e federal", explica Lúcio Gregori, que foi secretário de Transportes da cidade durante a gestão de Luiza Erundina (PT), em 1990. Ele foi responsável pelo projeto da tarifa zero para a cidade, que acabou não sendo votada pela Câmara de Vereadores na época.

Gregori afirma que a gratuidade do transporte coletivo já é uma realidade - e bem sucedida - em cidades de médio porte em outros países. "Nos Estados Unidos, há 32 cidades com média de 400 a 500 mil habitantes que adotam a tarifa zero". Especialistas em Mobilidade Urbana e Administração Pública da Unicamp e da Unesp também destacam a experiência em diversas cidades de médio porte da Europa, entre elas a capital da Estônia, Talinn. Sidney, na Austrália, também oferece linhas de ônibus gratuitas. No Brasil, a cidade de Paulínia, que fica a 118 km de São Paulo e tem mais de 82 mil habitantes, teve tarifa zero até 1990.

Na época em que administrava a pasta, a proposta de Gregori era subsidiar as tarifas dos ônibus (de responsabilidade da Prefeitura) com a arrecadação do IPTU - que é um tributo municipal. A ideia era realizar um aumento proporcional ao valor do imóvel, "assim casas de luxo e imóveis comerciais teriam uma elevação maior de tributo". Segundo o ex-secretário, o projeto não chegou nem a ser votado por disputa política e de interesse econômico das empresas que detêm a concessão dos transportes. "Mas uma pesquisa feita em dezembro de 1990 revelou que 76% da população era favorável ao aumento do imposto, desde que destinado ao transporte público."

Segundo as secretarias de Transporte das cidades brasileiras que praticam a tarifa zero, o subsídio é 100% sustentado pela arrecadação municipal, mas não exclusivamente do IPTU. "A tarifa zero é uma questão de investimento do transporte coletivo em detrimento do individual, de socialização dos recursos do transporte urbano", resume o especialista em Administração Pública da Unesp, Álvaro Guedes.

Prós e Contras

Quem defende a ideia argumenta que o transporte coletivo gratuito traz ganhos econômicos para a cidade. "Em primeiro lugar todas as atividades econômicas só são viáveis a partir do momento em que a população consegue acessar o seu local de trabalho", diz Gregori. Redução de veículos particulares nas ruas, diminuição do congestionamento, menos tempo perdido no trânsito e, consequentemente, maior produtividade do sistema é outra lógica favorável à gratuidade. Os especialistas apontam ainda que com a diminuição do trânsito o próprio custo do transporte público por passageiro cairia significativamente.

Já o professor Diogenes Costa, especialista em Mobilidade Urbana da Unicamp, acredita que o tamanho continental do Brasil e a complexidade das vias urbanas impedem a aplicação da tarifa zero em cidades maiores. A qualidade do transporte público já oferecido somada a um aumento significativo da demanda que a ausência de cobrança geraria geram questionamentos.

Agência Estado/NE 10

Ônibus: produção cresce 40,8% no acumulado do ano

Segmento também registrou altas em maio tanto para modelos urbanos como rodoviários


Créditos: Guto de Castro/Acervo

A produção de chassis para 
ônibus em maio somou 3.890 unidades. O número é 5,4% superior ao de abril e 7,9% maior que o de maio de 2012. No acumulado do ano, a fabricação desses chassis (17.514 unidades) supera a de igual período do ano passado em 40,8%. Os números foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). 

Veja aqui os números atualizados. 

Assim como ocorreu para os caminhões, a alta expressiva se explica pelo fraco desempenho das fábricas nos primeiros meses de 2012 em consequência da entrada em vigor do Proconve P7. 

A produção de chassis para ônibus rodoviários em maio foi de 660 unidades, crescimento de 2,6% sobre abril e de 60,2% em relação a maio de 2012. No acumulado do ano, com 3.045 chassis, a alta foi de 56,6%. Os chassis para ônibus urbanos somaram 3.230 unidades, alta de 6% ante abril e de 1,2% em relação a maio de 2012. No acumulado, com 14.469 chassis, a alta foi de 37,9%.

As exportações de ônibus somam este ano 3.036 unidades, com crescimento de 8,9% na comparação com o período janeiro-maio de 2012, puxado pelas vendas de modelos urbanos (2.038 unidades, alta de 21,5%). Em contrapartida, o envio de ônibus rodoviários (total de 998 unidades no acumulado do ano) encolheu 10,1%.

Em maio foram emplacados 2.655 ônibus, pequena queda de 4,7% ante abril, explicada pela menor quantidade de dias úteis (21 em maio e 22 em abril). No acumulado do ano, com 13.060 unidades, houve discreta alta de 0,8% em relação ao período janeiro-maio de 2012.

Automotive Business

terça-feira, 18 de junho de 2013

Passagem de ônibus fica mais barata no Grande Recife

Créditos: JC Imagem/Acervo
As passagens de ônibus na Região Metropolitana do Recife (RMR) vão diminuir, anunciou o governador Eduardo Campos na manhã desta terça-feira (18). O valor do anel A, por exemplo, vai cair de R$ 2,25 para R$ 2,15. A redução do preço, que deve entrar em vigor a partir desta quinta-feira (20), foi provocada pela decisão do Governo do Estado de repassar a desoneração do PIS/Cofins feita pelo governo federal.
A tarifa vai diminuir em R$ 0,10 em todos os anéis. O preço do anel B vai passar de R$ 3,45 para R$ 3,35. O D vai deixar de ser R$ 2,75 e vai custar R$ 2,65. O anel G, mais barato, que vale R$ 1,50 atualmente, passando a ser R$ 1,40.
No início de junho, após o anúncio da desoneração pelo Governo Federal, o Governo do Estado informou que a redução nos preços das passagens só seria discutido em janeiro de 2014. Caso o reajuste acontecesse só no início do próximo ano e a redução fosse igualmente de 10 centavos, cada pessoa gastaria R$ 14,40 a mais de junho ao início de janeiro. O setor de transporte público da Região Metropolitana do Recife (RMR) fatura R$60 por mês.
Ainda durante a coletiva convocada durante esta manhã para se adiantar ao protesto marcado para a quinta-feira (20), Eduardo Campos afirmou que uma nova licitação para as linhas de ônibus na RMR será relançada nesta sexta-feira (21), com modificações técnicas. Depois de não receber nenhuma proposta no início do ano, foi anunciado que um novo edital seria lançado no fim de maio ou no início deste mês. Se nenhuma empresa apresentar interesse novamente, o Estado poderá fazer a contratação direta.
Sobre o protesto que já reúne mais de 71 mil pessoas na sua página no Facebook, o governador de Pernambuco disse que solicitou à Polícia Militar e ao Batalhão de Choque que garanta a integridade dos manifestantes. Ele afirmou que "o uso da força não pode ser feito em momento algum".
Na segunda-feira (17), após reunião realizada pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), mais de 500 pessoas caminharam por importantes ruas do Centro do Recife em uma manifestação surpresa (assista ao vídeo). No encontro foi definida a pauta de reivindicações do protesto da quinta-feira.
O ato acontecerá em consonância com as demais mobilizações que acontecem em todo o País. O movimento, iniciado com os protestos que aconteceram na tarde da quinta-feira (13) no Rio de Janeiro e São Paulo, exigia inicialmente redução nos preços das passagens de ônibus e metrô, mas acabaram abarcando as insatisfações da população em várias áreas.
LICITAÇÃO - A intenção é que, até junho de 2014, toda a frota do Sistema Estrutural Integrado (SEI) – atualmente com 900 veículos – esteja equipada com ar-condicionado e o restante dos coletivos (2.100) ficaria nas mesmas condições em sete anos.  A rede de transporte seria dividida em sete lotes, agrupados por corredores de ônibus. Os contratos de concessão seriam de 15 anos, renováveis por mais cinco. No entanto, as mudanças não poderiam provocar o aumento das passagens.

NE 10

Rodoviários fazem nova paralisação na próxima quinta-feira

Categoria irá cruzar os braços, das 16h às 19h, em ato semelhante ao ocorrido na semana passada


Créditos: Helia Scheppa/JC Imagem

Os rodoviários, ligados a Oposição Rodoviária de Verdade, irão realizar mais uma paralisação no Recife. A categoria irá cruzar os braços na próxima quinta-feira (20), das 16h às 19h. Os rodoviários se juntam aos manifestantes que participam do movimento "À luta, Recife". Entre as reivindicações dos profissionais estão melhores salários, condições de trabalho e a retirada da gestão atual do Sindicato dos Trabalhadores do Transporte Rodoviário. A parada terá como ponto central o bairro do Derby, mas, caso não estejam próximos ao bairro, os ônibus irão estacionar onde estiverem.

"Nos juntaremos aos pernambucanos que protestarão por melhores condições de vida. Reinvidicamos a retirada da gestão atual do sindicato dos rodoviários, eles não nos representam. Hoje estamos com 80 a 90% dos rodoviários do nosso lado. Essa realidade pôde ser vista na última sexta-feira", diz Aldo Lima da Silva, uma das lideranças da Oposição Rodoviária de Verdade.

Os rodoviários pedem o reajuste no salário de 33% para motoristas e fiscais. Com esse aumento, os primeiros passariam a receber R$ 2 mil e os segundos R$ 1.300. Já para os cobradores, os discidentes pedem o aumento de salário para R$ 1.200. "O salário de cobrador é muito defasado, hoje esse profissional ganha quase R$ 700. Além do aumento salarial, queremos também o aumento de R$ 300 no valor da cesta básica", diz.

"Pedimos a compreensão da população para mais esse ato contra nossa atual situação, o que acontecerá na próxima quinta-feira será idêntico ao que fizemos no dia 14. Estamos em campanha salarial até o dia 1º julho e até lá iremos reivindicar os nossos direitos", finaliza.

Uma primeira rodada de negociação com os patrões está acontecendo neste momento na sede do Procuradoria Regional do Trabalho da 6ª Região, que fica na Rua Quarenta e Oito, no bairro do Espinheiro, no Recife. Os rodoviários estão propondo a pauta de reivindicações aos donos das empresas de ônibus.

JC Online

sábado, 15 de junho de 2013

Sábado Nostalgia: Rodotur 337 - Anos 90

Na coluna "Sábado Nostalgia" de hoje, trazemos pra você mais um registro antigo de ônibus que passou pelas ruas do Recife.

O destaque de hoje vai para um Caio Amélia, chassi Mercedes-Benz OF-1315. Ele pertenceu à Rodotur e tinha o prefixo 337. Chegou para a empresa no final dos anos 80 e operou por cerca de 10 anos. Foi aposentado em meados de 1999, quando foi substituído por um Busscar Urbanuss chassi Mercedes-Benz OF-1721.

No registro abaixo, de 1997, ele é visto operando a linha 302 São Benedito/Rio Doce (via Sol Nascente), que era gerida pela Prefeitura de Olinda. Essa linha foi extinta no começo dos anos 2000, tendo sido substituída pela 611 Alto do Sol Nascente/Rio Doce, operada pela Caxangá. Esta, por sua vez, foi desativada em 2008, se tornando alimentadora do terminal do Caenga e passando a ser operada por kombis e micro-ônibus.

Veja agora a foto do 337:

Créditos: Acervo Digital do Diário de Pernambuco
Pesquisa e catalogação: Guto de Castro

Gostou? Então confira também as edições anteriores da coluna "Sábado Nostalgia":

- 08/06/2013: Itamaracá 110 - Anos 90
01/06/2013: Caxangá 609 - Anos 90

BRT: A grande aposta para os transportes no País

Créditos: Vinicius Silva/Ônibus Brasil

Apontado como a grande aposta para resolver os problemas de Mobilidade urbana nas grandes metrópoles brasileiras, os projetos de Bus Rapid transit (BRT) estão em franca expansão no País. Até 2016, serão investidos na construção e expansão dos corredores exclusivos de ônibus R$ 12 bilhões (recursos federais, municipais e privados) e 19 cidades contarão com 742 quilômetros do modal em seus sistemas de transportes públicos. Atualmente, em cinco (Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Uberlândia- MG) já estão funcionando 182 km de linhas. Os dados são da Associação Nacional das Empresas de transporte público (NTU).

De acordo com especialistas, a relação custo-benefício é o principal motivo para a proliferação dos projetos. O presidente da Logit Engenharia Consultiva,Wagner Colombini, diz que, atualmente, a construção custa em média R$ 20 milhões por km, enquanto a mesma extensão de metrô custa entre R$ 400 milhões e R$ 500 milhões, mais de 20 vezes mais. O menor tempo de obras também conta.

"Todas as capitais brasileiras estão com problemas que precisam de soluções rápidas. No Rio, para fazer 50 km de BRT levaram dois anos e, para 14 km de metrô, serão cinco anos", disse Colombini.

Segundo o presidente executivo da Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), Otávio Cunha, o BRT reaparece no cenário para retificar mais de 20 anos de déficit de investimento em sistemas de transportes no País, a tempo da Copa do Mundo de 2014.

"É possível construir 10 quilômetros de corredor de BRT num período de 18 meses, o que seria impossível na rede de metrô para atender também ao público da Copa", salienta Cunha. Na lista das cidades com projetos de BRT, 11 vão sediar jogos do Mundial.

O gerente de desenvolvimento urbano do Institute for Transportation & Development Policy (ITPD), Pedro Torres, ressaltou que outra grande vantagem do BRT é a redução de emissões de gás carbônico em relação ao sistema de ônibus convencional.

Capacidades maiores vieram de Bogotá: Considerada uma versão metronizada para o ônibus, o BRT nasceu em Curitiba, em 1974, onde também é conhecido popularmente, como "biarticulado". Entretanto, o diretor da Logit Engenharia Consultiva (que faz projetos do setor de transportes),Wagner Colombini, lembra que a grande virada para que os BRTs passassem a funcionar com grandes capacidades, equiparáveis às dos metrôs, foi a experiência de Bogotá.

"Com três anos de mandato, o prefeito de Bogotá resolveu o caos no transporte como BRT TransMilenium", conta Colombini, lembrando que os BRTs do Rio de Janeiro podem transportar mais de 25 a 30 mil pessoas por hora nos picos, o que já é considerada uma grande capacidade.

Ao todo, 38 países já contam com BRT, totalizando 156 cidades e 277 corredores exclusivos para o modal. Tanto países em desenvolvimento como os mais desenvolvidos têm projetos desse meio de transporte. Entre os exemplos que se destacam estão: Alemanha, França, Estados Unidos (principalmente na cidade de Los Angeles), Colômbia, México, Peru e alguns países da África.

Solução não é a única e integração de modais é fundamental: Apesar das vantagens de custobenefício, o modal não deve ser visto como solução única para os problemas atuais de mobilidade nas grandes cidades. De acordo com a diretora de Projetos e Operações da Embarq Brasil (ONG que promove projetos na área de transporte público), Daniela Facchini, outros tipos de modais devem ser levados em consideração.

"Precisamos investir em ônibus e o BRT aparece como parte da estratégia. Porém, a grande resposta é justamente a integra- ção com outros sistemas, como metrô e trem", apontou Daniela.

O presidente da Associação Nacional dos Transportes Públicos (ANTP), Ailton Brasiliense, também tem uma opinião de que os BRTs não devem substituir o metrô e que devem ser vistos como transporte ideal para uma demanda de até 20 mil passageiros por hora, por sentido.

"O BRT tem bom custo-benefício em locais onde há possibilidade de implantá-lo com eficiência. No Brasil, vemos que a arquitetura de uma ex-colôniaportuguesadificulta muito, às vezes. O ideal é o modelo viário no estilo espanhol, onde é comum as avenidas terem três faixas com canteiro central, e não viasmais estreitas", disse.

Jornal Brasil Econômico/Unibus RN
 

Arquivo do blog