quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Internautas questionam as condições do TIP

 Créditos: Mariana Fabrício/Diário de Pernambuco

A pouco menos de 500 dias para a Copa do Mundo, há obras a todo vapor preparando a Região Metropolitana do Recife para receber o maior evento esportivo do mundo. Antes mesmo da Copa, em junho deste ano, será realizada a Copa das Confederações na Arena Pernambuco, estádio construído para sediar os dois eventos, localizado em São Lourenço da Mata. No entanto, a falta de investimento no Terminal Integrado de Passageiros (TIP), localizado no bairro do Curado, preocupa os recifenses. Com a iluminação externa, estrutura dos banheiros, limpeza e pintura precárias, nenhuma reforma foi inciada ainda na rodoviária. A atual condição da estrutura do TIP foi denunciada no fórum de jornalismo colaborativo do Pernambuco.com, Cidadão Repórter.

Localizado a cerca de 13 Km da Arena Pernambuco, o terminal integra os serviços de ônibus e metrô, realizando 104 viagens interestaduais e 175 intermunicipais por mês nas 122 linhas de ônibus. Em períodos de maior movimentação, chega a realizar 9.000 embarques, número que deve crescer nos eventos esportivos deste e do próximo ano. Mas a opinião de quem frequenta a rodoviária é de que ela ainda não está em condições de receber a maior demanda de usuários das Copas do Mundo e das Confederações.

O funcionário público Alexandre Gomes, 53 anos, utilizou o fórum do portal para denunciar. Ele conta que ficou espantado ao chegar no terminal no fim do ano passado. "Estava chovendo e quando entrei tinham goteiras na parte interna. Vazamento em todo canto. O estacionamento estava muito mal cuidado também. Tenho vergonha de dizer que essa é a nossa rodoviária". Outra preocupação de Alexandre é a sinalização interna. Segundo ele, deve haver mais investimento no local. "O terminal é bem próximo da Arena que será usada agora, na Copa das Confederações e está em péssimas condições, praticamente abandoando. Deve haver mais investimento na estrutura e nas placas de identificação".

A estudante de psicologia Manoela Nascimento, 26 anos, viaja frequentemente e diz que há muito o que melhorar no terminal. "O TIP tem tudo para ser bom, mas está com a estrutura muito deficiente. A iluminação é precária no caminho da BR até o terminal e no estacionamento também". A estudante reclama ainda da falta de conforto do terminal. "Os bancos não são confortáveis e o pagamento do estacionamento é no mesmo lugar do guarda-volumes e só tem uma pessoa para atender, isso gera fila e demora no atendimento".

Outro motivo de insatisfação da estudante é a manutenção dos banheiros. "Nos sanitários nem sempre tem papel e sabão e algumas portas estão quebradas", conta. Em todo terminal há quatro banheiros, apenas um para uso de deficiente físico. Em um dos banheiros, há quatro cabines sanitárias com chuveiros, dessas, somente duas estão funcionando.

O terceiro andar do terminal está abandonado. Segundo o diretor de planejamento da Empresa Pernambucana de Transporte Intermunicipal (EPTI), Reinaldo Melo, no local funcionavam lojas, mas foram desativadas há alguns anos. De acordo com ele, o local será a sede da EPTI "futuramente". As escadas rolantes do prédio também estão desativadas e, segundo o diretor, não há previsão para o funcionamento. O estacionamento, com capacidade para 200 veículos, está com buracos no asfalto e parte da calçada quebrada, dificultado a passagem de pedestres e, principalmente cadeirantes. No local também há lixo acumulado.

Sem fixar prazos, o presidente da Empresa Pernambucana de Transporte Intermunicipal (EPTI), Amaro João, afirmou que todas as providências serão tomadas até 2014. "Até a copa do mundo haverá melhoria na manutenção do TIP visando o de aumento de viagens e passageiros. Todas as providências necessárias, no tocante às melhorias de instalações, organização, sinalização, melhoria dos sanitários, como também nas áreas externas, iluminação, recuperação de acessos, segurança complementar etc, serão tomadas visando propiciar as melhores condições para que as pessoas possam ter o melhor atendimento possível".

Sobre as escadas rolantes, Amaro não justificou o motivo do não funcionamento, mas informou que até o fim do ano voltarão a funcionar. "Existe necessidade de ajuste no contrato de manutenção e está sendo alocado orçamento necessário à recuperação das mesmas. Já foi realizado estimativa de custo para recuperação e ainda este ano estarão recuperadas". O presidente ainda afirma que "está sendo previsto" o aumento no estacionamento, que irá facilitar o acesso do TIP à Arena Pernambuco.

Diário de Pernambuco

Grande Recife altera paradas de 15 linhas na Av. Joaquim Ribeiro

Intervenção faz parte das obras do Corredor Leste/Oeste, que vai operar com o sistema de TRO (Transporte Rápido de Ônibus).


Créditos: Guto de Castro/Acervo

A partir do próximo sábado (02/02), o Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT) relocará quatro pontos de parada, por onde passam 15 linhas de ônibus na Avenida Joaquim Ribeiro, em Recife. As paradas localizadas entre a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Caxangá, em Recife, e a Academia das Cidades, em Camaragibe, vão dar lugar ao Corredor Exclusivo de Ônibus Leste/Oeste, obra que faz parte do Programa Estadual de Mobilidade Urbana (Promob) e executada pela Secretaria das Cidades.

Todas as paradas serão transferidas do canteiro central, para o lado direito das calçadas, próximas ao local atual. Ou seja, quatro paradas serão colocadas no sentido cidade/subúrbio e quatro no sentido subúrbio/cidade. A mudança irá acontecer até o término das obras do Corredor Leste/Oeste, que está previsto para fevereiro de 2014.

Detalhes do projeto do Corredor Leste-Oeste - Será responsável pelo transporte dos passageiros que vai da Praça do Derby até o Terminal Integrado de Camaragibe, atravessando a Avenida Caxangá, onde as paradas serão substituídas por estações. Com 12,5 km de extensão, o corredor vai passar por 22 estações e atender aos Terminais Integrados de Camaragibe, da Caxangá, da Terceira Perimetral, que será construído no cruzamento da Avenida Caxangá com a General San Martin; de Camaragibe; e da Quarta Perimetral, na BR-101.

Também será construído um elevado próximo ao Engenho do Meio. E na Praça João Alfredo, ao lado do Museu da Abolição, na Segunda Perimetral, será construído um túnel. Com uma demanda de 126 mil passageiros/dia, a obra tem um valor estimado de R$ 145 milhões. Estima-se que a obra tenha duração de 18 meses.

Os usuários do Corredor Leste/Oeste terão um ganho de 30 minutos em cada viagem, o que significa que o trabalhador terá economizado um dia de seu tempo ao final de cada mês. As obras desse corredor são gerenciadas pelas empresas consorciadas Mendes Júnior–Servix.

Informações - O Consórcio está informando as mudanças aos usuários através de cartazes fixados nas paradas desativadas. Outras informações sobre o itinerário das linhas podem ser obtidas com a Central de Atendimento ao Cliente, pelo telefone 0800 081 0158, ou no site www.granderecife.pe.gov.br.

Detalhamento das mudanças de parada:
*Ao todo, 15 linhas serão afetadas:
402 – Parque Capibaribe/Caxangá
442 – Jardim Primavera (Vale das Pedreiras)
445 –Tabatinga
450 –Camaragibe (Conde da Boa Vista)
457 – São Lourenço (Bacurau)
459 –Loteamento Santos Cosme e Damião
460 –Camaragibe (Príncipe)
462 –Loteamento Santos Cosme e Damião (Bacurau)
464 – Jardim Teresópolis/Caxangá
469 –Camaragibe (CDU)
480 – Camaragibe/Derby
481 – Timbi/Derby
488 – Vila da Fábrica/Caxangá
489 – Bairro dos Estados/Caxangá
490 –Camaragibe/Macaxeira

GRCT

Seminário Internacional de Mobilidade reúne especialistas da área

Créditos: Guto de Castro/Acervo
 
O presidente do Grande Recife Consórcio de Transporte, Nelson Menezes, participou nesta quinta-feira (31) do MOBit, seminário internacional direcionado às questões que envolvem a mobilidade social. O evento aconteceu no auditório do Banco do Brasil, no Recife Antigo, contou com a participação do secretário das Cidades, Danilo Cabral; do diretor da empresa Porto Digital, Francisco Saboia; do diretor Executivo da Canadian Urban Institute, John G. Jung, entre especialistas da área.

Para Nelson Menezes, “o tema Mobilidade é de extrema importância atualmente, e isso se deve ao desenvolvimento que Pernambuco vem alcançando nos últimos tempos. As pessoas não aceitam mais e não podem mais passar horas no trânsito. Isso gera um custo muito alto para o Estado e um atraso na vida da população”, disse.

Em seu discurso, Menezes fez questão de falar sobre o crescimento urbano extensivo que vem ocorrendo desde as décadas de 1960 e 1970, e falou sobre os projetos e planejamentos que estão sendo debatidos e colocados em prática para melhorar a qualidade de vida no Recife e na Região Metropolitana.

A maioria desses projetos foi planejada pensando na população e nos grandes acontecimentos como o fortalecimento do Porto de Suape, a construção da empresa Fiat, a Copa do Mundo de 2014, sem deixar de lado o aumento da população. Atualmente, Pernambuco possui uma frota de veículos calculada em mais de 2 milhões de automóveis, com 580 mil destes circulando pelo Recife. A estimativa de pessoas que utilizam o transporte público da cidade e da Região Metropolitana está em torno de 2,2 milhões de passageiros.

É pensando nesses dados que o Programa Estadual de Mobilidade Urbana (Promob) tem como meta garantir aos pernambucanos a integração de diversas áreas do estado com a metrópole a partir de um transporte de qualidade que garanta conforto, agilidade e segurança. Dessa forma, será realizada a implantação de mais de 100km de corredores exclusivos para o transporte coletivo, assegurando as condições de mobilidade e acessibilidade, conforme o PDTU (Plano Diretor de Transporte Urbano), além de ciclovias e o projeto Rios da Gente, que visa se utilizar de 13,9 quilômetros do rio Capibaribe para transportar passageiros nas direções Oeste e Norte, a partir do Centro do Recife.

“Com o Programa Rios da Gente, além de percebermos a vantagem do transporte fluvial, é preciso perceber que a população vai passar a enxergar verdadeiramente o rio e, assim, as pessoas passam a querer cuida dele. Será um investimento de R$ 289 milhões e os recifenses poderão usufruir de uma viagem agradável e ágil até os seus destinos”, afirmou o presidente do Consórcio.

Outras intervenções organizadas pelo Promob são os 25 Terminais de Integração e a expansão do Sistema Estrutural Integrado (SEI), os Corredores Norte/Sul e Leste/Oeste que trarão a população de Igarassu e Camaragibe ao Centro do Recife, os Corredores da IIIª e IVª Perimetral, a passarela do Aeroporto Internacional dos Guararapes, o programa Pedala PE e a licitação das linhas de ônibus.

Todas as obras mencionadas já foram iniciadas e, a partir do próximo mês terá início também o projeto do Corredor Exclusivo do TRO (Tacaruna/Joana Bezerra), com nove estações para embarque e desembarque e 4,8 km de extensão.

Nelson Menezes encerrou a fala garantindo a todos que “nós que trabalhamos com o transporte público, visamos sempre a melhoria deste transporte. É um investimento para o Estado, para o Governo e, especialmente para a população. A nossa luta é pela qualidade no transporte, gerando qualidade de vida a todos os trabalhadores, estudantes e passageiros que precisam desse meio para se locomover”, Concluiu. O Seminário continua nesta sexta-feira (1º de fevereiro), a partir das 09h.

GRCT

Uma pessoa morre e 15 ficam feridas em acidente em Garanhuns

O acidente foi às 04h30 da madrugada da última terça-feira na BR-424 em Garanhuns. O agricultor Antônio Vieira da Silva morreu ao ser atingido por um ônibus com aproximadamente 30 romeiros.

  Créditos: TV Asa Branca/Reprodução

Uma pessoa morreu e quinze ficaram feridas num acidente, em Garanhuns, Agreste do estado. De acordo com a Polícia Rodoviária Federal, um ônibus invadiu a pista contrária e acabou atingindo uma moto. O acidente foi às 04h30 da madrugada na BR-424 em Garanhuns. O agricultor Antônio Vieira da Silva, de 54 anos, tinha saído de casa de moto para buscar alimento para o gado.

Ele morreu ao ser atingido por um ônibus com aproximadamente 30 romeiros das cidades Jupi, Jucati e Garanhuns, no Agreste Meridional. O motorista do ônibus se apresentou ao posto da PRF e prestou depoimento.

Depois de bater na moto o ônibus capotou e em alguns pontos foi possível perceber os objetos pessoais dos romeiros. Com o capotamento, um dos bancos foi parar no teto do ônibus. Todos os passageiros conseguiram sair do ônibus. Quinze ficaram feridos e foram socorridos para o Hospital Regional Dom Moura, em Garanhuns.

O agricultor Antônio Rodrigues de Melo, de 86 anos, foi o único que precisou ser transferido para o Hospital da Restauração no Recife. O estado de saúde de Antônio Rodrigues de Melo é considerado estável.

 Portal +AB

Idosas e criança presas por duas horas em elevador do Terminal de Cajueiro Seco

Créditos: Blog Meu Transporte/Acervo
 
Uma queda de energia deixou duas idosas e uma criança presas dentro de um elevador no Terminal de Integração de Cajueiro Seco, em Jaboatão dos Guararapes, no final da tarde desta quarta-feira (30). 

A interrupção no fornecimento de energia aconteceu por volta das 17h e o elevador da plataforma que leva os usuários para a integração com os ônibus parou de funcionar.

O resgate dos passageiros só aconteceu às 19h. Após a retirada das pessoas, o elevador foi interditado.
 
Diário de Pernambuco

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Gratuidade nas tarifas de ônibus: é possível?

Em algumas cidades do mundo a gratuidade na passagem de ônibus é garantida por lei. No Brasil, as cidades paulistas de Agudos e Potirendaba já praticam essa política.


Repensar o transporte público tem sido algo recorrente para as políticas de governo, órgãos de planejamento urbano, institutos de pesquisas e todas as pessoas que acreditam que a mobilidade urbana sustentável passa também pelo transporte coletivo de pessoas.

A melhoria deste setor, no entanto, não está atrelada necessariamente ao aumento de tarifas. Em algumas cidades do mundo a gratuidade na passagem de ônibus é garantida por lei.

Essa iniciativa ocorreu, pela primeira vez, numa capital de um país europeu. Tallinn, capital da Estônia com cerca de 420 mil habitantes, oferece desde 1º de janeiro de 2013 a gratuidade do transporte público mediante referendo. Os objetivos são conhecidos: reduzir a quantidade de automóveis; evitar congestionamentos e acidentes; e facilitar o deslocamento das pessoas mais pobres.

Outras cidades ao redor do mundo também já implementam essa medida, como é o caso de Changning e Changzhi na China, Hasselt na Bélgica,  Gibraltar na Península Ibérica, Corvallis no Oregon-EUA, dentre outras cidades. Mesmo no Brasil, algumas pequenas cidades no estado de São Paulo já praticam a ausência de cobrança nos ônibus como, por exemplo, Agudos e Potirendaba.

Quem paga a conta?

Considerando que o transporte caracteriza-se por um serviço essencial, tal como saúde e educação, várias correntes dentro da sociedade apoiam a extinção da cobrança das tarifas. Mas quem paga essa conta?

A ideia inicial é mudar um pouco a lógica de “paga quem usa” para “paga quem se beneficia”. O ônus do pagamento deixaria de ser de responsabilidade do estudante, do trabalhador ou mesmo das pessoas de baixa renda e passaria para as empresas que recebem os trabalhadores diariamente, governo e sociedade. Mediante a criação de um Fundo de Transporte que reuniria arrecadações com aumento progressivos do IPTU, por exemplo, o custeio da tarifa seria algo economicamente viável.

Embora o tema transporte público esteja nas pautas de discussões nos grandes centros urbanos e sendo realizada por grandes grupos da sociedade e do governo, a extinção da cobrança das tarifas ainda depende muito de vontade política, especialmente no Brasil. Alinhar investimentos, concessões e melhorias com a tarifa zero talvez seja a equação que estados e municípios tenham que resolver depois de muito estudo.

Portal Mobilize

Empresas de ônibus se recusam a assinar TAC

Créditos: Guto de Castro/Acervo
 
O cerco está se fechando para as empresas de ônibus da Região Metropolitana do Recife. O Ministério Público do Trabalho (MPT) decidiu entrar com uma ação civil pública contra cada uma das 17  operadoras do sistema nos próximos 60 dias.

Na última sexta-feira (25), o Sindicato das Empresas (Urbana) informou ao MPT a recusa para assinar o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) por parte de todas as empresas envolvidas no procedimento. Como justificativa, o Urbana alegou o processo de licitação atualmente em andamento. O ato de assinatura do documento seria nesta terça (29).

O que o TAC previa:

O documento elaborado pelo MPT tem 27 cláusulas. Versam sobre jornada, programas de controle de saúde do trabalhador, adequações dos veículos, disponibilização de água, não realização de descontos indevidos por assalto, elaboração de lista ‘suja’.

Especificamente sobre as adequações nos ônibus, o MPT deu prazo de 180 dias para que as empresas integrem à frota apenas ônibus que atendam:

a) garantam o respeito às normas quanto à temperatura no posto de trabalho do motorista e do cobrador (25º)
a.1)Em caso de aquisição de ônibus que não garanta a temperatura nos moldes constantes na presente alínea, a Compromissada se obriga a implementar mecanismos que possam garantir o necessário conforto térmico, só se admitindo o uso comercial do ônibus após a adaptação necessária
b) motor devidamente enclausurado, com compartimento destinado ao seu alojamento e sistema de isolamento acústico e térmico de características de baixa combustão, com retardamento de chamas no interior dos ônibus, teto, paredes laterais, frontal e traseira, a fim de diminuir a vibração, temperatura e ruído (sendo o nível de ruído aceitável dentro da cabine de, no máximo, 85 dB), para mantê-los de acordo com os limites permitidos pela legislação em segurança e saúde laboral e, assim, não prejudicar a saúde, higidez e segurança dos motoristas e dos cobradores, entre outros
c) câmbio automático e direção hidráulica, de modo a reduzir os riscos como fadiga, estresse e constrangimento que comprometam a integridade física dos motoristas
d) bancos ergonômicos que atendam as exigências do item 38.1 da Norma Brasileira ABNT NBR 15570:2009
e) cintos de segurança com três pontos de ancoragem, de modo a proporcionar conforto e segurança para motoristas e cobradores, de modo a atender as disposições contidas na Norma ABNT NBR 7337 e 6091, e demais normas técnicas aplicáveis
f) porta objetos para acondicionamento de garrafas de água e guarda de bens pessoais dos motoristas e cobradores

Diário de Pernambuco

Agrale supera o faturamento de R$ 1 bi

 Créditos: Guto de Castro/Acervo

Os negócios da montadora Agrale registraram crescimento em 2012. O faturamento consolidado ultrapassou a casa do R$ 1 bi. A fabricante de caminhões, chassis para ônibus, tratores e utilitários teve um aumento de 16,5% em comparação com 2011, quando faturou R$ 924 milhões.
De acordo com a direção da empresa, ao alcançar a marca de R$ 1,075 bilhão, a Agrale reforça o seu reconhecimento do mercado por todos os desafios vencidos pela empresa num cenário tão competitivo.

O crescimento mostrou benefícios, como a criação de 359 novos postos de trabalho, sendo 330 nas unidades brasileiras. Hoje, a Agrale conta com mais de 2.180 colaboradores em seu quadro.
E a fabricante é líder, há mais de 15 anos, do mercado de chassis leves para ônibus.

Revista Auto Bus

Marcopolo escapa de multa milionária

Autuações no valor aproximado de R$ 200 milhões por suposta omissão de receitas decorrente de exportações por meio de subsidiárias no exterior.

 Créditos: Marcos Roberto Castro/Acervo

O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) manteve a decisão de livrar a fabricante de ônibus Marcopolo de autuações no valor aproximado de R$ 200 milhões por suposta omissão de receitas decorrente de exportações por meio de subsidiárias no exterior. O objetivo da operação seria reduzir o valor a ser recolhido do Imposto de Renda (IR) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL).

O Carf é a última instância administrativa para discutir cobranças da Receita Federal. O caso foi analisado em julho do ano passado pela 1ª Turma da Câmara Superior do órgão, que cancelou as três autuações semelhantes contra a empresa que, na soma, resultavam em uma exigência fiscal de aproximadamente R$ 200 milhões.

Segundo a Receita, notas emitidas pela sede da Marcopolo teriam valores inferiores às vendas feitas pelas subsidiárias no exterior, que intermediavam as operações, Marcopolo International Corporation (MIC), com sede nas Ilhas Virgens Britânicas, e Ilmot International Corporation, no Uruguai. Além disso, a autuação do Fisco dizia que a empresa simulava exportações, pois os produtos sequer passavam pelas subsidiárias.

No julgamento de julho, a Câmara Superior decidiu, por maioria dos votos, que a autuação apresentava falhas. Além disso, os conselheiros entenderam que as operações formavam um planejamento tributário, mas que não infringiam a lei e não apresentavam qualquer tipo de simulação, como havia entendido a Turma ordinária do Carf, em julgamento no ano passado.

Não há outra instância administrativa, acima da 1ª Turma da Câmara Superior do Carf, para a Fazenda Nacional recorrer, mas ela ainda pode entrar com outros embargos de declaração.

Transporta Brasil, com informações do Valor Econômico

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Domingo de prévias deixa 131 ônibus depredados no Grande Recife


Empresa mais prejudicada foi a Itamaracá, com 79 coletivos danificados. Consórcio pede que população colabore e denuncie atos de depredação.

Créditos: TV Globo/Reprodução


As empresas de ônibus tiveram muito prejuízo no último domingo (27), dia de prévias carnavalescas e desfile do bloco das Virgens de Verdade Abraça Brasil, em Olinda. O Grande Recife Consórcio de Transporte informou que, ao todo, 131 coletivos sofreram algum tipo de depredação, na Região Metropolitana do Recife.
Das 18 empresas que atendem os moradores da Região Metropolitana, a mais prejudicada foi a Itamaracá. O trabalho dos mecânicos da empresa para reparar os veículos começou à meia-noite do domingo e, para não diminuir a quantidade de ônibus disponível para a população, coletivos sem vidros nas janelas foram para as ruas nesta segunda-feira (28).
Dos 186 ônibus da Itamaracá que circularam no domingo, 79 foram depredados, o que equivale a 42% da frota. O vandalismo foi maior que ano passado: em 2012 foram depredados 37 ônibus. Só com a compra de peças, a empresa vai gastar R$ 19,5 mil. "O prejuízo maior é na qualidade do serviço, que fica comprometido. Alguns veículos tiveram portas danificadas e tiveram que sair de circulação", disse o diretor-executivo da Itamaracá, Gibson Pereira.
Os ônibus da Itamaracá foram depredados na Avenida Pan Nordestina, em Olinda, logo depois do fim do desfile das Virgens de Verdade Abraça Brasil. As câmeras instaladas nos coletivos registraram alguns ataques. Uma das imagens registra uma pedra arremessada quebrando o vidro da porta. Um grupo força a porta e consegue entrar no ônibus para brigar com passageiros que estavam dentro.
Entre os itens mais danificados estão o vidro de janela corrediça, alçapão de teto, para-brisa dianteiro, pistão de porta e retrovisor externo. O Consórcio solicita à população que colabore com a preservação dos coletivos e denuncie qualquer ato de depredação ao patrimônio público pela Central de Atendimento ao Cliente, no telefone 0800. 081.0158.

Polícia
A assessoria de comunicação da Polícia Militar informou que fiscaliza os principais corredores de trânsito da Região Metropolitama com 12 carros durante 24 horas. Segundo a PM, nessa época de carnaval, o número de veículos é dobrado. A corporação também pede que a população denuncie pelo telefone 190 os atos de vandalismo praticados nos ônibus.

G1 PE

O que pesa na Passagem de Ônibus e no seu bolso?

O que pesa na Tarifa de Ônibus? Obviamente que as empresas trabalham para ter lucratividade, mas a falta de eficiência dos sistemas de transportes deixa os serviços caros.

Créditos: Guto de Castro/Acervo

“As empresas de ônibus lucram muito”. Essa é a frase mais comum de ser ouvida na sociedade quando o assunto é tarifa de ônibus. E realmente, as viações trabalham para ter lucratividade e não baixa.
Mas deve-se ponderar aspectos importantes e pouco discutidos pela sociedade quando se fala em tarifa de ônibus: quanto menos eficiente é o transporte, mais cara é a passagem. E entenda-se como ineficiência, a baixa produtividade de muitas linhas de ônibus.
Essa baixa produtividade se dá quando o veículo não traz o retorno financeiro próximo do que ele poderia proporcionar. E isso ocorre, entre outros fatores, quando o transporte público não tem prioridade no espaço urbano.
Ônibus que leva 70 pessoas num espaço de 13,5 metros e que fica preso em um congestionamento da mesma forma que 35 carros que transportam a mesma quantidade de pessoas num espaço de 150,5 metros, dá gasto e não se torna eficiente.
Como o ônibus fica parado no trânsito, para que as tabelas de horários sejam cumpridas, é necessário colocar mais veículos no sistema, o que significa mais gastos. Os índices de Desempenho dos Transportes da NTU – Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos deixam claro que a falta de prioridade aos meios coletivos de deslocamento torna a passagem alta. Os dados se referem ao anuário 2011/2012.
O levantamento em nove capitais (São Paulo, Salvador, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre, Goiânia, Fortaleza, Curitiba e Belo Horizonte) revela que, mesmo havendo uma alta geral na demanda de passageiros em 2011, no mês de abril, por exemplo, quando foram transportados 346,8 milhões de passageiros, a produtividade dos sistemas de transportes tem caído.
Um dos indicadores de produtividade, o IPK – Índice de Passageiros por Quilômetro, teve retração de 2%. Em abril de 2011, o IPK destas capitais foi de 1,79. Valor baixo se for comparado com abril de 1995, cujo esse índice foi de 2,59. O crescimento desordenado das cidades, com grandes áreas vazias seguidas de regiões populosas somado a outros fatores como sobreposições de linhas fazem com que os ônibus rodem mais para cada veículo levar a mesma quantidade de passageiros de antes. E isso encarece a tarifa.
Na média, cada ônibus do tipo padrão, transportou em abril de 2011, 408 passageiros na noves capitais. O número é baixo perto dos 631 passageiros de outubro de 1995. Isso significa que os ônibus andam menos lotados? O passageiro sabe que não. Mas, por também não conseguirem desenvolver uma velocidade operacional adequada, por falta de prioridade na via urbana, cada veículo acaba fazendo menos viagens e transportando menos. E isso encarece a tarifa.
De acordo com a NTU, em médias e grandes cidades, os ônibus acabam proporcionalmente andando menos, ou seja, sendo menos produtivos também. Novamente, tem-se a falta de prioridade aos transportes públicos como uma das causas principais. E isso também encarece a tarifa.
Vale ressaltar que para se equilibrarem financeiramente, as empresas de ônibus e sistemas públicos racionalizaram uma série de gastos. De acordo com o levantamento da NTU, ainda com base em abril de 2011, o custo por quilômetro para operar ônibus foi de R$ 4,54. Em outubro de 1996, esse valor era de R$ 5,63.
COMO SE CALCULA UMA TARIFA DE ÔNIBUS?
Os cálculos do valor das tarifas de ônibus variam de acordo com cada sistema e cidade, com base em seus custos operacionais, situações de demanda, extensão territorial, salários de cada município e região e políticas locais de gratuidade.
Ainda muitas cidades usam a planilha da GEIPOT (Grupo de Estudo da Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes), cuja última versão é de 1996. Essa planilha, em alguns casos foi adaptada.
São vários os itens que compõe a cesta para elaboração das tarifas de ônibus. Mas entre eles, destaque para a relação entre quilometragem e passageiros transportados, quilometragem percorrida, custos com mão de obra, óleo diesel, lubrificantes, pneus, custos de manutenção dos veículos, aquisição de veículos novos, índices econômicos de inflação e tributos.
O peso de cada um destes itens varia. Não se pode comparar os gastos de combustível e pneus de linhas de ônibus que servem áreas sem asfaltamento, de difícil acesso, com ônibus que servem corredores ou mesmo ruas convencionais, mas bem pavimentadas.
Na questão da quilometragem percorrida, nos gastos com manutenção e insumos, como diesel, pneus e lubrificantes, espaços prioritários aos ônibus, com corredores e faixas exclusivas, provocariam uma queda de custos destes itens.
A questão tributária também é outro aspecto. Em diversos itens, os transportes coletivos pagam a mesma carga tributária que carros de luxo ou marcas internacionais de roupas.
Desonerar o transporte coletivo é, de certa maneira, assim como o subsídio, fazer com que todos contribuam para uma atividade que não serve apenas para os passageiros, mas para toda a sociedade, na medida que o transporte público contribui com a redução de gastos com poluição e com o trânsito.
As desonerações e subsídios têm de ser feitos de maneira inteligente de modo que obrigue o empresário a retornar estes benefícios em tarifas mais baixas. Um exemplo é desonerar a melhoria e a operação dos transportes e não a receita das empresas, como reduzir impostos para o diesel do transporte urbano e os impostos para aquisição de veículos novos.
A participação do poder público também deve ser maior para financiar as gratuidades, que na média nacional, giram em torno de 19%, e do desconto para os estudantes, que podem ser de quase 25% em um sistema.
Na maior parte dos modelos atuais, as gratuidades, que são um benefício social, têm sido pagas apenas pelos passageiros. Sendo um benefício social, toda sociedade, portanto, deveria colaborar.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Blog Ponto de Ônibus

Carrocerias “sentem” menos a crise da falta de renovação

Carrocerias “sentem” menos a crise. Queda foi de 8,39% frente a baixa de 25,4% dos chassis. Em números absolutos, país fabricou mais plataformas que carrocerias.


Créditos: Guto de Castro/Acervo

O setor de carrocerias de ônibus no País também sentiu o desaquecimento econômico nacional e a redução das renovações de frotas em 2012. No ano passado, de acordo com dados consolidados da Fabus – Associação Nacional dos Fabricantes de Ônibus, foram feitas 32 548 carrocerias contra 35 531 unidades em 2011. A baixa na produção foi de 8,39%.

No entanto, a queda é menor em comparação com a produção de chassis, que teve baixa de 25,4% segundo a Anfavea – Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. Em 2012, foram feitos 36 844 chassis de ônibus e em 2011, 49 373 veículos de transportes coletivos sobre pneus.

Tanto chassis como carrocerias foram afetados pelo ritmo menor da economia brasileira e pela mudança de tecnologia de restrição a poluição. As fabricantes de motores e chassis foram desde janeiro de 2012 obrigadas a seguir novos parâmetros de emissão de poluentes, mais rigorosos, previstos pela sétima fase do Proconve – Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores, que se baseia nos padrões internacionais Euro V.

Muitos empresários, sabendo que em 2012 entraria uma nova tecnologia que deixaria os ônibus menos poluentes, porém mais caros, anteciparam para 2011 as renovações de frota previstas para 2012 ou postergaram para 2013.

E é neste ponto que a diferença de números se explica. Muitos empresários compraram os chassis em 2011, principalmente no último trimestre, mas só encarroçaram seus veículos em 2012. Por isso a queda do setor de carrocerias foi menor.

Carrocerias e chassis sempre seguem a mesma tendência, mas o setor de encarroçamento normalmente “sente” depois a realidade do que ocorre com os chassis. E nesta diferença de tempo, pode se beneficiar caso a fabricação das plataformas e motores se recupere.

Em relação às diferenças de números absolutos, a lógica é a mesma. Muitos chassis comprados em 2012, principalmente nos últimos três meses, ainda não foram encarroçados. Além disso, o ritmo de exportações de chassis, em volumes, tende a ser maior que o de carrocerias.

EMPRESAS:

Créditos:Guto de Castro/Acervo

Em relação à posição das marcas no mercado, praticamente não houve alterações em relação a 2011, segundo a Fabus.

A Marcopolo continuou liderando o mercado geral, com 7451 ônibus. No entanto, o número da empresa é maior, já que deve ser somada a produção da Ciferal, que fabrica ônibus urbanos e pertence à marca. Assim, somando Marcopolo e Ciferal, em 2012, o grupo fabricou 12961 carrocerias.

Já em relação aos ônibus urbanos, a maior fatia do mercado, a liderança é da Caio Indusscar, com 8585 ônibus deste segmento. A quantidade de veículos urbanos fabricados pela Caio supera aos da concorrente Marcopolo, mesmo somando as 5517 unidades da Ciferal (do mesmo grupo) e as 992 com a marca Marcopolo, que atinge 6509 ônibus.

O segmento de micro-ônibus é liderado pela Neobus, com 2677 unidades. As vendas dos veículos que levam a marca e que são de pequeno porte, como a família Thunder não são tão expressivas. Mas no caso da Neobus, é levada em consideração a produção, em parceria com a fabricante de chassi Iveco, do modelo CityClass, um dos principais ônibus do segmento escolar e um dos mais vendidos para o Governo Federal que realiza o Programa Caminho da Escola.

RANKING: (marcas/unidades produzidas em 2012)
Marcopolo – 7541
Ciferal – 5517
Total do Grupo Marcopolo: 12968
Caio: 9127
Neobus: 4178
Comil: 3331
Mascarello: 2232
Irizar: 712

Nesta conta, não é levada em consideração, a produção das marcas Ibrava e Maxibus, que não são associadas da Fabus, porém, não respondem por grandes fatias de mercado.

SEGMENTOS:
Em relação aos segmentos, como já é histórico na produção de ônibus no Brasil, os veículos urbanos predominaram no mercado. De acordo com a Fabus, o segmento representou mais da metade da produção de carrocerias.

Veja a relação (segmento/unidades/porcentagem de mercado/empresa líder/ unidades da empresa líder)
Urbanos: 18636 – 57,26% / Caio – 8585
Rodoviários: 6626 – 20,36% / Marcopolo – 3812
Micro-ônibus: 4905 – 15,07% / Neobus – 2677
Intermunicipal: 2381 – 7,32% / Marcopolo – 1504

ESTIMATIVAS:
Acompanhando a mesma estimativa do setor de chassis, as fabricantes de carrocerias trabalham com a perspectiva de crescimento a partir deste ano. E se não houver nenhum fator econômico global muito forte, motivos para o otimismo não faltam:

- Recuperação de Mercado: No ano passado muitos empresários decidiram não renovar as frotas. Algumas compras foram antecipadas para 2011 e outras postergadas. Mas as trocas de ônibus devem continuar e o mercado se ajustar novamente. Além disso, mesmo que não plenamente satisfeito, o empresariado está mais seguro quanto ao diesel S 50 (mais limpo) e em relação ao ARLA 32 (Agente Redutor Líquido Automotivo, com 32,5% de uréia industrial), usados para que os ônibus padrão Euro V consigam atingir as metas de redução de poluição previstas pelo Proconve, do Conama – Conselho Nacional do Meio Ambiente.

- Mobilidade Urbana e Copa do Mundo: A Copa do Mundo de 2014 tem sido responsável pelos investimentos em melhorias de mobilidade urbana, não somente nas cidades-sede, mas também nos municípios ao entorno. Mesmo que tardiamente (e muito) e só para a Copa, o Governo Federal se mexeu ao participar das ações de mobilidade, que antes ficavam praticamente sobre as costas dos estados e municípios somente. O PAC Mobilidade, que agora contempla municípios maiores, será responsável por novos sistemas de ônibus, que vão exigir veículos urbanos e com mais categoria, portanto, maior valor agregado. A maior parte dos projetos do PAC, vale ressaltar, contempla corredores de ônibus do tipo BRT – Bus Rapid Transit.

- Licitações: Vários certames de diversos portes são aguardados para 2013 e 2014. A polêmica licitação da ANTT – Associação Nacional de Transportes Terrestres, mesmo que sob juízo, pode sair nos próximos meses. Ela vai mexer com um universo de cerca de 7 mil ônibus rodoviários e vai exigir idade média de 5 anos e máxima de 10 anos. Levando em consideração que ainda um percentual significativo da frota rodoviária tem mais de 14 anos, o ritmo de renovação será interessante para a indústria. Somam-se as licitações de transportes urbanos. Só a do Distrito Federal prevê a troca de 3 mil ônibus.

- Mercado Externo: As estimativas são de alguma reação do mercado internacional à crise global, que persiste desde 2008, o que pode trazer impactos positivos nas exportações de ônibus brasileiros.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes.

Blog Ponto de Ônibus

Lei do Motorista vai ter Operação Nacional

Polícia e MP vão fiscalizar com mais rigor “Lei do Motorista”. Operação “Jornada Legal” vai contar com 9,5 mil policiais em todo o Brasil e agentes do Ministério Público do Trabalho.
Créditos: Guto de Castro/Acervo

O Ministério Público do Trabalho e a Polícia Rodoviária Federal vão intensificar logo depois do Carnaval as fiscalizações sobre o cumprimento da lei que regulamenta a profissão de motoristas de vans, ônibus, caminhões e carretas.

De acordo com estes órgãos, ainda é grande o número de profissionais, principalmente do setor de cargas, que não respeita os limites de jornada de trabalho. Sancionada em 02 de maio do ano passado pela presidente Dilma Rousseff, a lei estipula que a jornada dos motoristas profissionais não pode ultrapassar 8 horas diárias, com possibilidade de 2 horas extras por dia, após descanso.

O intervalo entre uma jornada e outra deve ser de 11 horas e o descanso semanal deve somar 35 horas, no mínimo. Além disso, a cada quatro horas dirigidas, o motorista deve parar por meia hora para descansar. O período de direção pode ser de cinco horas caso não haja pontos de parada para os caminhões e ônibus.

As justificativas do Governo Federal para sancionar a lei estão no abuso de mão de obra e nos riscos de acidentes. De acordo com levantamento do Ministério Público do Trabalho, há motoristas, autônomos ou não, que dirigem por mais de 15 horas por dia, sem nenhum tipo de remuneração a mais e sem descanso, nem para refeirção.

A Polícia Rodoviária Federal diz que o excesso de jornada faz com que os motoristas dirijam cansados, com sono e com os reflexos reduzidos, o que é uma das principais causas de acidentes nas estradas.

Os caminhoneiros reclamam que faltam nas rodovias estrutura para que eles cumpram a lei, principalmente no tocante a ausência de locais seguros de parada. Mas a questão econômica também influencia na queixa dos caminhoneiros, que dizem conseguir menos recursos por causa das jornadas limitadas.

Neste aspecto, donos de transportadoras e motoristas dão as mãos. O Instituto de Logística – IS estima que a perda de produtividade de cada caminhão, que vai fazer menos viagens ou viagens mais longas, deve ser de 14% ou R$ 28 bilhões por ano, somando a frota nacional.

Produtores agrícolas e industriais também reclamam da lei dos caminhoneiros ou motoristas. A Abiove – Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais quer que o governo suspenda a lei. A estimativa é de elevação de 30% a 50% para no valor do frete.

A maior parte das empresas de ônibus diz já ter jornadas regulamentadas antes mesmo da aprovação da lei e que fizeram ajustes quando necessários. Mas motoristas de transportes de passageiros também reclamam do excesso de jornada de trabalho.

A “Operação Jornada Legal” será contínua, realizada de forma escalonada em cada rodovia, de surpresa, e vai contar com mais de 9,5 mil policiais, além de agentes do Ministério Público do Trabalho.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Blog Ponto de Ônibus

Jovens criam ferramentas que auxiliam passageiros e empresas de ônibus

Jovens criam aplicativos que podem ajudar passageiros e empresas para acesso a dados dos transportes. Já há dois sistemas em funcionamento na Capital Paulista e na Região Sul do País.

Créditos: Diogo Carvalho/Acervo

Dois jovens de 22 anos, um de São Paulo e outro de Santa Catarina, mostram que a familiaridade com a tecnologia, típica desta geração, pode ajudar passageiros e empresas de ônibus com acesso mais fácil a dados operacionais dos serviços de transportes, em tempo real.
Em Joinville, Santa Catarina, o analista de sistemas, Lucas Vinícius Schiochet, desenvolveu um aplicativo, que pode ser usado em celulares, por exemplo, que permite que o passageiro pesquise os itinerários, as linhas, os três próximos horários previstos e até os valores atualizados das tarifas de ônibus. É possível, pelo mapa, informar onde o usuário está para que o sistema ache qual linha passa mais próximo.

A pesquisa pode ser feita por nome ou número do serviço de ônibus. O WBus está disponível para Android, Ipad, Ipod e Iphone e o sistema já funciona para Joinville – Santa Catarina, Florianópolis – Santa Catarina, Curitiba – Paraná e, em breve, estará disponível em Blumenau – Santa Catarina.
Segundo Lucas, no entanto, o WBus pode ser usado em qualquer sistema de transportes que tenha GPS e monitoramento com informações pela internet ou estes dados disponíveis de outras maneiras.

Já em São Paulo, o jovem Gabriel Pacheco, de 22 anos, desenvolveu o aplicativo “Onde está meu ônibus”, que permite em tempo real que os passageiros, pelo celular, saibam a localização dos veículos de transporte coletivo, e assim, possam se programar quanto à chegada dos ônibus e aos seus horários.

O aplicativo é gratuito para iOS e por enquanto funciona apenas para as linhas da Capital Paulista. Além de localizar onde estão os ônibus, o aplicativo traz informações mais específicas, como mapa atualizado em intervalos e se até mesmo o veículo está adaptado para transportar passageiros portadores de necessidades especiais.
É possível criar um menu “Favoritos” com as linhas e os ônibus mais usados.
O aplicativo de Gabriel usa os dados do sistema “Olho Vivo”, da SPTrans- São Paulo Transportes. A ferramenta está integrada ao Google Maps.
Além dos passageiros, os aplicativos também beneficiam as empresas de ônibus ao permitirem que os usuário se programem, o que pode reduzir o número de reclamação e lotação em alguns ônibus, já que, a demanda pode ser distribuída entre os horários. Não é raro, por falta de conhecimento e confiança no sistema, de os passageiros superlotarem um ônibus, sendo que logo atrás está vindo outro da mesma linha, só que mais vazio.
Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Blog Ponto de Ônibus

Marcopolo adquire ações da canadense New Flyer

Marcopolo se associa a fabricante de ônibus canadense. Empresa brasileira vai adquirir o equivalente a 20% do capital da companhia New Flyer produtora de ônibus urbanos.

Ônibus da New Flyer. Créditos: Blog Ponto de Ônibus/Acervo

A encarroçadora de ônibus Marcopolo anunciou em comunicado nesta quarta-feira, dia 23 de janeiro de 2013, que vai investir 116,4 milhões de dólares canadenses para comprar ações da New Flyer, fabricante de ônibus urbanos no Canadá, com sede em Winnipeg.
A Marcopolo deve adquirir 11,1 milhões de ações, o que equivale a cerca de 20% do capital da empresa canadense. Inicialmente, a fabricante brasileira vai subscrever 5 milhões de ações até o dia primeiro de março. Cada ação custa em torno de 10,5 dólares canadenses. Assim, o investimento inicial será de 51,7 milhões de dólares daquele país.
O restante das ações será adquirido em 12 meses, em parcela única. A New Flyer teve receita líquida de 926 milhões de dólares locais em 2011, emprega 2200 funcionários e tem produção de aproximadamente 1 800 ônibus por ano.
Além da negociação financeira, será estabelecida cooperação técnica entre as duas companhias, com troca de tecnologia, design e formas de produção, e a possibilidade, pela New Fleyr de a Marcopolo inserir os produtos brasileiros nos Estados Unidos e Canadá.

Adamo Bazani, jornalista da Rádio CBN, especializado em transportes

Blog Ponto de Ônibus

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Onde Está Você: Borborema 105 e Tamará 122


Excepcionalmente nesta quarta-feira, o Maxi Ônibus Olinda traz para você a coluna "Onde Está Você". Aproveitamos também para informar que o blog entrará em um pequeno período de férias, estando com as atualizações de volta na próxima segunda-feira.

Hoje trazemos uma dupla especial: veículos que rodaram na frota recifense e possuíam ar-condicionado. Chegaram na época em que a prefeitura colocava um fim no transporte clandestino das kombis e vans, que se espalharam pela cidade no final dos anos 90.

O primeiro personagem da nossa coluna hoje é um Marcopolo Torino 1999, de chasi Mercedes-Benz OF-1721, que chegou em 2001 para a Borborema. Ele possuía o prefixo 105 e, como já dito anteriormente, era equipado com ar-condicionado, tendo sido apelidado pela empresa de "Geladão".

 Créditos: Jefferson Alexandre/Ônibus Brasil

Ele e mais algumas dezenas de carros que faziam parte do lote circularam em várias linhas da empresa até o final de 2008. Alguns irmãos do 105 passaram a rodar com o ar-condicionado desligado em meados de 2005/2006. Já outros, como o que estamos tratando aqui, permaneceram com equipamento em atividade até a aposentadoria.

Após sair da Borborema, o 105 foi vendido a um particular, e passou a fazer serviço na região de Suape, no Litoral Sul do estado. Veja como ele está atualmente:

Créditos: Jepherson Tenório/Ônibus Brasil

Já a segunda estrela da nossa coluna de hoje tem muita história pra contar. Trata-se de um Marcopolo Viale, de chassi Mercedes-Benz OF-1721, prefixo 122, que foi adquirido pela extinta Tamará em 2001. Ele também chegou com ar-condicionado, junto com mais 5 irmãos, todos na mesma configuração. Rodaram por várias linhas, até a compra da empresa pela Caxangá, em 2005.

 Créditos: Ricardo Aparecido de Morais/Acervo

Com a incorporação de parte da frota da Tamará, o 122 manteve seu prefixo na Caxangá. Nessa mesma época (meados de 2005), passou a operar com o ar-condicionado desligado. Rodou pela empresa até o final de 2009, quando foi aposentado com a chegada de um lote de 70 carros.

 Créditos: Diego Barbosa/Ônibus Brasil

Após deixar a Caxangá, o 122 foi vendido para a Terra Dourada, empresa do Rio Grande do Norte. Lá, foi renumerado para 150. Veja como ele está atualmente:

Créditos: Walky Martins/Ônibus Brasil

Gostou? Então não deixe de conferir as edições anteriores da coluna "Onde Está Você":

- 19/01/2013: Progresso 4144 e Caruaruense 805
- 12/01/2013: RME 458 e Globo 032
- 05/01/2013: Expresso 1002 2997 e Transcol 114
- 29/12/2012: Borborema 527 e Progresso 7243
- 22/12/2012: Caxangá 402 e Santa Cruz 416

Desfile Virgens de Verdade receberá reforço nas linhas de ônibus que circulam na área


Os foliões que desejarem participar, neste domingo (27), do bloco carnavalesco Virgens de Verdade 2013 contarão com um reforço na hora de participar da festa. É que o Grande Recife Consórcio de Transporte realizará mudanças de itinerário nas linhas de ônibus que circulam naquela localidade. Além disso, haverá também reforço na frota. Onde antes operavam 197 veículos, estarão operando 274, totalizando 77 ônibus a mais que o normal. No lugar das 1863 viagens, serão realizadas 2400, totalizando 538 viagens adicionais.

As interdições, que acontecem na Rua do Sol, Rua do Farol e trecho da Av. Getúlio Vargas/Olinda, passam a valer das 07h às 23h do domingo. Dessa forma, haverá alteração no itinerário das seguintes linhas:

Linhas:

881 – CAENGA / RIO DOCE (GETÚLIO VARGAS)
882 - CAENGA / RIO DOCE (CARLOS DE LIMA CAVALCANTE)
884 – JARDIM BRASIL / RIO DOCE
885 – SÍTIO NOVO / RIO DOCE
886 – OURO PRETO / RIO DOCE


Alteração do itinerário

Sentido: Caenga/Olinda

... Av. Presidente Kennedy, Av. Pan Nordestina, Rodovia PE-15, Av. Chico Science, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante...

Sentido: Olinda/Caenga

...Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Av. Chico Science, Rodovia PE-15, Av. Pan Nordestina, Av. Presidente Kennedy...
Linha:

883 – CAENGA / RIO DOCE (II PERIMETRAL)

Alteração do itinerário

Sentido: Caenga/Olinda

... Rua Arthur Serpa, Rua Manoel de Barros Lima, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Rua Eduardo Morais, Av. Getulio Vargas, Av. José Augusto Moreira...

Sentido: Olinda/Caenga

...Av. José Augusto Moreira, Rua Marcolino Botelho, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Rua Manoel de Barros Lima, Rua Arthur Serpa ...

Linhas:

910 – RIO DOCE/PIEDADE
920 – RIO DOCE/CDU
930 – RIO DOCE/DOIS IRMÃOS
958 – COSTA AZUL
973 – CASA CAIADA
981 – RIO DOCE (CONDE DA BOA VISTA)
983 – RIO DOCE (PRINCESA ISABEL)
987 – RIO DOCE (PRÍNCIPE)
992 – PAU AMARELO
993 – CONJUNTO PRAIA DO JANGA
994 – CONJUNTO BEIRA MAR

Alteração do itinerário

Sentido: Olinda/Recife

...Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Av. Chico Science, Rodovia PE-15, Av. Pan Nordestina, Viaduto do Complexo de Salgadinho, Av. Gov. Agamenon Magalhães...

Sentido: Recife/Olinda

...Av. Olinda, Av. Presidente Kennedy, Av. Pan Nordestina, Rodovia PE-15, Av. Chico Science, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante...


Linha:

972 – BULTRINS

Alteração do itinerário

Sentido: Olinda/Recife

...Av. Chico Science, Retorno (próximo ao cruzamento com Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante), Av. Chico Science, Rodovia PE-15, Av. Pan Nordestina, Viaduto do Complexo de Salgadinho, Av. Gov. Agamenon Magalhães...

Sentido: Recife/Olinda

...Av. Olinda, Av. Presidente Kennedy, Av. Pan Nordestina, Rodovia PE-15, Av. Chico Science, Av. Professor Manoel Regueira.

Linhas:

971 – AMPARO
974 – JARDIM ATLÂNTICO
982 – CONJ. BEIRA MAR/DERBY

Alteração do itinerário

Sentido: Olinda/Recife

... Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Av. Chico Science, Rodovia PE-15, Av. Pan Nordestina, Viaduto do Complexo de Salgadinho, Av. Gov. Agamenon Magalhães...

Sentido: Recife/Olinda

...Av. Olinda, Av. Presidente Kennedy, Av. Pan Nordestina, Rodovia PE-15, Av. Chico Science, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante...

Linha:

950 – ENGENHO MARANGUAPE/VARADOURO

Alteração do itinerário

Sentido: Janga/Varadouro/Janga

...Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Av. Chico Science, Rodovia PE-15, Av. Pan Nordestina, Viaduto do Complexo de Salgadinho, Av. Gov. Agamenon Magalhães, Av. Gov. Agamenon Magalhães (retorno na Unicordis), Av. Gov. Agamenon Magalhães, Viaduto da Tacaruna, Av. Olinda, Av. Presidente Kennedy, Av. Pan Nordestina, Rodovia PE-15, Av. Chico Science, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante...

Linha:

990 – PAU AMARELO/VARADOURO

Alteração do itinerário

Sentido: Janga/Varadouro/Janga

...Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Av. Chico Science, Rodovia PE-15, Av. Pan Nordestina, Viaduto do Complexo de Salgadinho (retorno), Av. Pan Nordestina, Rodovia PE-15, Av. Chico Science, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante...

Linha:

911 – OURO PRETO (COHAB)

Alteração do itinerário

Sentido: Olinda/Recife

...Rua Manoel Clementino Marques, Av. Pan Nordestina, Viaduto do Complexo de Salgadinho, Av. Gov. Agamenon Magalhães...

Sentido: Recife/Olinda

...Av. Olinda, Av. Presidente Kennedy, Av. Pan Nordestina, Rodovia PE-15, Retorno em frente ao 7º R.O, Rodovia PE-15...

Linha:

940 – ABREU E LIMA/OLINDA

Alteração do itinerário

Sentido: Abreu e Lima/Olinda/ Abreu e Lima

...Rodovia PE-15, Av. Chico Science, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Rua Jornalista Luiz de Andrade, Av. José Augusto Moreira, Rua Marcolino Botelho, Av. Gov. Carlos de Lima Cavalcante, Av. Chico Science, Rodovia PE-15...

GRCT

Uso de transporte público é o mais baixo

Índice de passageiros tem caído desde 1995; lei de Mobilidade Urbana vai exigir ações para reduzir o número de carros nas ruas.

 Créditos: Guto de Castro/Acervo

É cada vez maior nas cidades brasileiras o número de carros dividindo espaço nas ruas, multiplicando os engarrafamentos e diminuindo a qualidade de vida dos motoristas. Até 2015, no entanto, os 1.663 municípios com mais de 20 mil habitantes terão que implantar planos que dê prioridade ao transporte público, desestimulando o uso de carros.
A mudança está prevista na Política de Mobilidade Urbana, em vigor desde abril do ano passado, mas já enfrenta dificuldades, em especial nas metrópoles, como São Paulo, onde a espera no trânsito pode chegar a três horas por dia. Será uma tarefa difícil.

A média de usuários do serviço público é a menor das últimas duas décadas: 1,63 passageiro por quilômetro, 62% menor que em 1995, por exemplo. “Ninguém quer tirar o direito de usar o carro, mas é preciso arcar com os custos”, salienta o diretor da NTU (Associação das Empresas de Transportes Urbanos) André Dantas.

Caso nenhuma providência seja tomada, a cidade poderá perder direito a repasses de recursos federais.

Causas

O Brasil vê 480 mil novos veículos por mês em circulação, sem que nenhum centímetro de pista seja construído. Somente o setor automobilístico obteve 10 pacotes de estímulo nos últimos cinco anos, principalmente com a redução do IPI (Imposto Sobre Produtos Industrializados), o que facilita a compra de carros.

Além disso, os preços da gasolina e do álcool estão há seis anos ‘congelados, enquanto o diesel teve quatro reajustes, aumentando os custos do transporte público.

Hoje, o PAC Mobilidade Urbana coloca à disposição das cidades R$ 39 bilhões e 54 projetos já estão sendo financiados, segundo o governo.

Metro

 

Arquivo do blog